Notícias

Assembleia Legislativa de Santa Catarina restitui mandatos de políticos cassados

Published

em

Evilásio Nery Caon_ Deputado do MDB, cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. Natural de Lages, era advogado - Foto: Divulgação

Dias antes de completar 55 anos do Golpe Militar, domingo (31), a Assembléia Legislativa de Santa Catarina definiu a data para a restituição simbólica dos mandatos dos oito políticos cassados entre 1964 e 1969, entre eles, o lageano Evilásio Caon.

No dia 13 de agosto, em Florianópolis, familiares das sete lideranças e o ex-deputado Manoel Dias, participarão de uma sessão especial. Em sua justificativa, o deputado estadual Rodrigo Minotto (PDT) afirma: “tem por objetivo restituir, simbolicamente, os mandatos de deputados estaduais e de vice-governador de Santa Catarina, cassados entre 1964 e 1969, cassados sem o devido processo legal”.

O projeto de restituição dos mandatos, do ex-deputado Dirceu Dresch (PT), foi aprovado em 12 de junho de 2018 e tramitava na Casa, desde 2016. No ano passado chegou a ser divulgada a informação de que o ato simbólico aconteceria em julho de 2018. O pedido da nova data foi protocolado com a assinatura dos deputados, Ana Paula da Silva (PDT), Ada Faraco de Luca (MDB), Luciane Carminatti (PT) e Fabiano da Luz (PT).

Para a deputada Luciane Carminatti, o golpe, que culminou em 21 anos de ditadura (1964 a 1985) se deu por conta do fantasma do comunismo, e observa que políticos que tiveram os mandatos cassados em Santa Catarina eram de partidos como PTB, MDB, Arena, PSP e PSD. “Na Ditadura Militar não havia respeito a democracia e mais do que isso, se a gente olhar a nível nacional, o Herzog (Vladimir) é um exemplo, era um jornalista e apareceu enforcado. Não temos problema de enfrentar esse debate, e vamos fazer”, comenta.  

Para o historiador, Fabiano Garcia, a restituição dos mandatos é oportuna. “Primeiro porque foram arbitrariedades cometidas pelo Estado. Registrar e reconhecer que foi um erro, são medidas reparatórias simples, mas importantes, para desestimular ou mesmo evitar que isso volte a acontecer, além de ser uma forma de o estado pedir as devidas desculpas aos envolvidos e seus familiares”, afirma.

Um projeto que possa restituir os mandatos cassados, segundo ele, é fundamental, mas também é importante mencionar os outros casos, as outras vidas interrompidas. “Isso permite que as novas gerações entendam a gravidade do que ocorreu e tenham direito à memória, e para que a gente possa lembrar e demonstrar porque esse tipo de coisa não é bem vinda por uma sociedade que preza pela democracia, pelos valores democráticos. Afinal, ninguém deve ser preso por suas ideias. Por isso, o slogan, Ditadura nunca Mais, é bastante preciso”, define.

Políticos catarinenses cassados

  • Addo Vânio de Aquino Faraco_ Cassado em 12 de junho de 1964. De Criciúma, deputado do PTB, filho de Addo Faraco, prefeito de Criciúma. Foi preso durante seis meses. Morreu em 2005.
  • Evilásio Nery Caon_ Deputado do MDB, cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. Natural de Lages, era advogado. Foi filiado ao PTB, apoiador de João Goulart. Morreu em 1997.
  • Fernando Brügmnn Viegas de Amorin_ Foi cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. De Santos (SP), foi deputado de Santa Catarina entre 1959 e 1967. Eleito pela União Democrática Nacional (UDN) e reeleito pela Aliança Renovadora Nacional (Arena). Morreu em 1987.
  • Genir Destri _ Deputado do MDB, cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. Natural de Chapecó filiado anteriormente ao PTB. Advogado ligado do movimento pela Reforma Agrária. Morreu em 2006.
  • Manoel Dias_ Deputado do MDB, cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. De Içara, deputado pelo PTB. Ligado aos sindicatos do carvão. Foi ministro do Trabalho e presidente o PDT/SC.
  • Paulo Stuart Wrigth_ Presbítero em Herval do Oeste. Ligado aos sindicatos dos pescadores. Fundador da Federação das Cooperativas de Pescadores (Fecopesc). Até hoje é considerado desaparecido. Era deputado pelo Partido Social Progressista (PSP) cassado em 1964. Atuação política: Dirigente da Ação Popular Marxista-Leninista (APML). Desaparecido em São Paulo em 1º de setembro de 1973.
  • Waldermar Sales_ Foi cassado em 1964. Deputado entre 1963 a 1971, eleito pelo PSD, depois passou para a Arena. Foi cassado pelo Ato Institucional número 5, em 1969. Morreu em 1989.
  • Francisco Dall’igna_ Vice-governador pelo PTB. Foi cassado em 19 de julho de 1966. No seu lugar como vice, entrou Jorge Bornhausen. Médico em Itajaí. Era o vice de Pedro Ivo da Silveira (MDB), governador de 1966 a 1971. Morreu na década de 1970.

Presidente determinou “comemorações devidas”

Se em Santa Catarina há um movimento com objetivo de reparar as injustiças do período ditatorial do Brasil, em âmbito nacional o presidente Jair Bolsonaro (PSL) determinou ao Ministério da Defesa que faça as “comemorações devidas” pelos 55 anos do Golpe.

O Exército realizou, em Brasília, na sexta-feira (29) cerimônia para “rememorar” o golpe. O ato foi realizado no pátio do Comando Militar do Planalto. O golpe, nas palavras do mestre de cerimônias do evento, virou um “momento cívico-militar”.

O 1º Batalhão Ferroviário, em Lages, aproveitou a formatura de recepção dos soldados que voltaram de um treinamento, na sexta-feira (29), para ler a ordem do dia encaminhada pelo Ministério da Defesa.

O documento assinado pelo ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, e pelos três comandantes das forças armadas, não classifica o regime militar como uma ditadura oriunda de um golpe. O texto diz: “As Forças Armadas participam da história da nossa gente, sempre alinhadas com as suas legítimas aspirações. O 31 de março de 1964 foi um episódio simbólico dessa identificação”.

MPF e outras entidades manifestaram-se contra comemoração

O Ministério Público Federal manifestou-se contra a determinação presidencial. A nota diz, entre outras coisas, que: “Considerando que, apesar de eventuais controvérsias ainda existentes, o próprio Estado Brasileiro e Cortes Internacionais já reconheceram que o movimento militar de 1964 foi um golpe que depôs um presidente (João Goulart) legítimo e instaurou um regime de exceção que implicou a erradicação de liberdades democráticas essenciais, centenas de mortes, milhares de prisões políticas, tortura, além de outras graves violações de direitos humanos; Considerando que é função constitucional do Ministério Público Federal a defesa do regime democrático e do patrimônio público”.

Também na sexta-feira, (29) de março, o Movimento Nacional de Direitos Humanos divulgou nota manifestando repúdio à realização de comemorações oficiais propostas pelo Governo Federal por ocasião do aniversário do Golpe Militar de 1964.

Para o Movimento, esses posicionamentos são inaceitáveis, “sobretudo por tentar legitimar um Golpe como sendo uma resposta aos anseios da população e uma necessidade para a época”. Parentes de vítimas da Ditadura Militar e o instituto Vladimir Herzog pediram na quarta-feira (27), ao Supremo Tribunal Federal (STF) liminar (decisão provisória) para impedir comemorações autorizadas pelo presidente Jair Bolsonaro sobre o golpe militar de 1964.

Defensoria Pública da União e Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) também se manifestaram contra, a OAB, inclusive, fez uma denuncia contra o presidente na Organização das Nações Unidas (ONU). A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, vinculada à Procuradoria-Geral da República, afirmou que a defesa de crimes constitucionais e internacionais – como um Golpe Militar – pode se caracterizar um ato de improbidade administrativa.

Juíza proíbe, mas desembargadora permite

A juíza Ivani Silva da Luz, da 6ª Vara da Justiça Federal em Brasília, proibiu no fim da tarde de sexta (29) o governo de Jair Bolsonaro de comemorar o aniversário de 55 anos do golpe de 1964. Ela atendeu a um pedido de liminar apresentado pela Defensoria Pública da União, que alegou risco de afronta à memória e à verdade, além do emprego irregular de recursos públicos nos eventos.

Ela determinou que a Defesa seja intimada da ordem. Na prática, não surtiu muito efeito porque várias unidades militares haviam antecipado as celebrações ao movimento golpista para sexta (29), já que o aniversário cairá no domingo. Entretanto a desembargadora de plantão no Tribunal Regional Federal da 1ª Região, Maria do Carmo Cardoso, concedeu liminar para suspender determinação da 6ª Vara Federal do Distrito Federal.

clique para comentar

Deixe uma resposta