Geral

Seminário quer estimular o aumento do cultivo de lúpulo

Published

em

Planta se assemelha a uma parreira e pode atingir seis metros de altura - Foto: Divulgação

Fundada em maio deste ano, a Associação Brasileira de Produtores de Lúpulo (Aprolúpulo) promove o seu 1º Seminário Técnico Aprolúpulo, neste sábado, a partir das 8h30. Evento acontece no auditório do Cav/Udesc, em Lages, e contará com seis palestras.  

O lúpulo é um dos quatro ingredientes usados na produção de cerveja (água, malte, lúpulo e cevada) e embora seja nas indústrias farmacêutica e química, o Brasil não é autossuficiente na sua produção e quase 100% do que é usado aqui é importado de outros países.

A Serra Catarinense dá os primeiro passos para mudar esse cenário, mas está longe de atender o volume que o mercado demanda, mesmo que cinco municípios cultivem a planta. Além de Lages, produtores de Palmeira, Urubici, São Joaquim e Bom Retiro investem no cultivo.

“Estamos começando a expandir, o seminário vai contribuir com isso, pois durante as palestras haverá abordagens de diversos temas, como adubação verde. Apresentações do ciclo de cultivo de lúpulo salientando o lado prático do plantio”, disse o presidente, Alexander Creuz, ao lembrar que no CAV fica a única sede física, mas que há associados nos três estados do Sul, em SP, RJ, MG e Distrito Federal, totalizando 73 produtores. Ele espera um dia que o lúpulo alcance o status que a maçã construiu na Serra, se transformando numa nova alternativa de produção, incrementando a economia da região com expectativas de crescimento da renda de produtores. O quilo da planta é vendido de R$ 250 a R$ 300.

Ainda segundo o presidente, a planta trepadeira se assemelha a uma parreira gigante e na Serra Catarinense ela é pouco cultivada. É uma planta perene  (pode ser cultivada de 12 a 15 anos), tendo uma única safra por ano, porém necessita de manejo durante o ciclo da colheita , como a poda, por exemplo.

Agende-se

  • 8h30 – Abertura das palestras – Presidente da Aprolúpulo – Alexander Creuz
  • 8h50 às 10:00h – Introdução e Manejo Geral do Lúpulo – Eng. Agrônomo Stéfano Gomes Kretzer
  • 10h às 10h30 – coffe break
  • 10h30 às 12h – Manejo de Solo – Eng. Agrônomo Laurês Francisco Cieslik
  • 12h às 13h15 – almoço
  • 13h30 às 15h – Plantio e processamento dos cones de lúpulo – Técnico produtor Natanael Moschen Lahnel
  • 15h às 15h40 – Resultados parciais de estudos com lúpulo no planalto Sul Catarinense – Eng. Agrônoma Mariana Mendes Faguerazzi
  • 15h40 às 16h – coffe break
  • 16h10 às 18h – Composição química do lúpulo e métodos de análise – Químico Duan Ceola
clique para comentar

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com