Notícias

Lages é o município que mais aumentou casos de homicídios

Published

em

Ocorreram 32 feminicídios este ano, em Santa Catarina - Foto: Freepik/Divulgação

Em Lages, ocorreram seis homicídios/feminicídios no primeiro semestre de 2018, e neste ano, até o dia 12 de agosto, foram registrados 12 crimes deste tipo, deixando a cidade em primeiro lugar na lista das que mais aumentaram essas ocorrências no Estado.

Em segundo lugar no ranking ficou o município de Ilhota, que de nenhum homicídio/feminicídio, no ano passado, passou para cinco este ano. A terceira posição do ranking é dividida por Guaruva e Içara, que de zero passaram para quatro crimes. O município de Penha passou de três para sete ocorrências e ocupa o quinto lugar. Os números são da Secretaria de Segurança Pública. 

Há também as cidades que diminuíram o número de ocorrências. Florianópolis passou de 75 para 32, de 2018 para 2019, respectivamente, registrando uma diminuição de 43 crimes. Em segundo lugar no ranking de municípios que reduziram essas ocorrências, no mesmo período, está Joinville, de 60 para 45 (redução de 12), e, Camboriú, de 15 para seis, marcando menos nove crimes.

Ao analisar os dados de vítimas por ano, fica nítido o crescimento dos números em Lages. Em 2016, foram 21 vítimas por ano; em 2017, a quantidade foi de oito; no ano passado, ocorreram dez mortes provenientes de crimes. Mas comparada a cidades do mesmo porte, Lages não é a mais violenta. Palhoça, tem o número de habitantes mais parecido com o de Lages e lá a quantidade desses crimes foi maior. Em 2016, ocorreram 18; em 2017, 38, e, ano passado, foram 27.

Os dados do Estado em relação ao número de homicídio/feminicídio mostram diminuição. No período de 1 de janeiro ao dia 5 de agosto de 2016 aconteceram 519 casos. E no mesmo período de 2017 e 2018, foram, respectivamente, 600 e 505. Esse ano, o número caiu para 399, sendo que deste número, 32 foram feminicídios.

A quantidade de roubo e furto também reduziu em Santa Catarina. No período de 1 de janeiro deste ano até o dia 4 de agosto, em 2016, aconteceram 11,4 mil roubos; em 2017, foram 10,7 mil; em 2018, foram 7,4 mil e este ano, ocorreram 6,3 mil. Os números de furtos também diminuíram, mas não tanto como os roubos. Em 2016, foram 62,9 mil; em 2017, 71 mil; em 2018, foram 61,1 mil e, em 2019, foram 58,2 mil.

Trabalho preventivo

Para o delegado regional, Fabiano Schmitt, são necessárias ações conjuntas entre as  polícias Militar e Civil para diminuir os crimes. Ele ressalta que todos os homicídios e feminicídios que ocorreram esse ano, em Lages, tiveram a autoria definida. “Todos os inquéritos foram concluídos e encaminhados para o Judiciário. Vamos discutir ações com a PM e PC para coibir mais crimes e estagnar esses números”. 

Em 2017 Lages ficou entre as menos violentas do estado

Pesquisa feita pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), em 310 cidades brasileiras com mais de 100 mil habitantes, em 2017, foi divulgada na semana passada. No estudo chamado Atlas da Violência, Lages aparece em um ranking positivo com relação ao número de homicídios. Naquele ano, o município ocupou o quarto lugar entre os menos violentos do estado.

O município só perdeu para Jaraguá do Sul, Brusque e Tubarão, que estão entre as 20 cidades menos violentas do país. Dentre as 310 cidades pesquisadas, Jaraguá aparece ocupando o quarto lugar, enquanto Brusque está em quinto e Tubarão, no Sul do Estado, em 15ª posição no Brasil.

A pesquisa levou em consideração um conceito de taxa de homicídio que considera o número de mortes por agressão, além do número de óbitos provocados por intervenção legal e o número de homicídios ocultos ou mortes violentas sem causa determinada, que podem ser homicídios, suicídios ou mortes causadas por acidentes. 

De acordo com o Atlas da Violência, a taxa de homicídio em Lages ficou em 8,8%. Essa taxa é o resultado da divisão do número de ocorrências pelo número de habitantes. 

Taxa de homicídio em 2017

  1. Brusque (128.818) 5,8%
  2. Jaraguá do Sul (170.835) 5,5%
  3. Tubarão (104.407) 8,1%
  4. Lages (158.508) 8,8%
  5. Criciúma (211.369) 11,3%
  6. Balneário Camboriú (135.268) 14,0%
  7. Blumenau (348.513) 14,1%
  8. Chapecó (213.279) 18,0%
  9. São José (239.718) 19,6%
  10. Joinville (577.077) 22,4%
  11. Itajaí (212.615) 22,6%
  12. Palhoça (164.926) 27,9%
  13. Florianópolis (485.838) 30%
1 Comentário

1 Comentário

  1. Economista

    15/08/2019 at 14:10

    Taxa de homicídios é um índice por 100 mil habitantes e não porcentagem

Deixe uma resposta