Notícias

#CLentrevista Ivani Cavalca Andrade

Published

em

Foto: Marcela Ramos

Correio Lageano: Quais são as peças de roupas que preferencialmente devem ser doadas?

Ivani Cavalca Andrade: O que pedimos na divulgação da campanha, é que sejam roupas que aqueçam, como blusas de lã, jaquetas, moletons, cobertores, roupas que realmente aqueçam.

Como funciona a seleção das peças doadas?

Neste ano tivemos 27 instituições parceiras para nos ajudar. Depois do dia D, que foi em 11 de maio, essas roupas foram todas levadas para o Primeiro Batalhão Ferroviário, e lá é feito o trabalho de contagem, triagem e separação.

As famílias que recebem essas doações, já foram selecionadas?

Realizamos a campanha do agasalho da seguinte forma: quem se inscreve é a instituição ou a entidade beneficente, eles devem fazer uma relação de quantas pessoas precisam da doação. O cadastro é feito na Fundação Cultural de Lages. Cada uma dessas instituições conhece as pessoas necessitadas de seu bairro, então, eles recebem as doações e distribuem na sua comunidade. Quem quiser receber doação, deve procurar essas entidades e a associação de moradores.

A cada ano, mais famílias necessitam de auxílio, ou esse número está diminuindo?

Estamos vivendo um momento muito sério, de falta de emprego e o alto custo de vida. Então, essas famílias vão empobrecendo e precisam cada vez mais. E a roupa acaba não sendo prioridade para essas famílias, acaba sendo o último item a ser comprado. A cada ano, o pedido das entidades aumenta, para atender quem está lá na ponta.

Vocês têm uma estimativa da quantidade de pessoas que recebem as doações?

O ano passado nós atendemos 39 entidades, e 5.968 pessoas receberam doações. Neste ano, temos 41 entidades inscritas, e ainda não distribuímos porque as peças estão no processo de  separação e contagem.

O que você diz para as pessoas que estão em dúvida se devem ou não doar?

Não podemos doar qualquer coisa, a gente precisa doar alguma coisa que as pessoas possam usar. Doe não para se desfazer,  mas para ajudar alguém. Roupas em bom estado e limpas, pois o ato de doar é um ato de amor e fraternidade. Não estamos atrás de quantidade mas sim qualidade, pois sabemos que a roupa de inverno é uma roupa cara, então, se você não usa mais essa roupa e está em bom estado, passe para quem precisa, que vai usar e se aquecer. Nosso inverno é muito rigoroso, e o que as entidades mais pedem é roupas de crianças, idosos, cobertores e edredons, porque a madrugada é muito fria.  Tudo o que vem é muito bem-vindo. As peças que recebemos e não estão em bom estado de uso, são doadas para o Centro de Zoonoses.

Colaborou: Marcela Ramos

clique para comentar

Deixe uma resposta