Economia e Negócios

Bares aumentam os cuidados para atrair público

Published

em

Dentre as exigências, os bares precisam oferece álcool em gel Foto: Campo Grande News / Divulgação

Os bares e casas noturnas ficaram mais de 30 dias fechados. Os bares foram liberados para abrir e as casas noturnas ainda não.

No entanto, o movimento tem sido de apenas 5% do que era o habitual, o que se reflete em um grande prejuízo para o setor, que está entre os mais afetados com a pandemia de Covid-19.

As atividades foram paralisadas, mas os empresários do setor continuaram com as despesas de títulos de tributos estaduais e municipais, salário dos funcionários, encargos trabalhistas, comerciais e bancários, além da própria subsistência de suas famílias. Isso gerou um enorme deficit para a classe.

Como alternativa, alguns bares começaram a oferecer os serviços tele-entrega (delivery), retirada na porta e/ou balcão (take out) ou drive thru

Cerca de 20% dos estabelecimentos, em Lages, trabalharam com essas opções, mas a principal fonte de renda e atrativo é a reunião de pessoas.

Para que isso possa voltar a acontecer com segurança, os bares estão cumprindo o decreto do Governo do Estado, que estipula medidas de segurança, como uso de máscaras, fornecimento de álcool gel aos clientes, redução do número de pessoas dentro dos estabelecimentos e distância mínima de 1,5 metro entre as pessoas.

Segundo Larissa Sandri Wojcik, proprietária do Galeria Bar, e coordenadora do Núcleo de Bares e Casas Noturnas da Acil, a edição de medidas provisórias do Governo Federal, que poderiam acalentar as perdas para o setor, são barradas pelo judiciário.

O Supremo Tribunal Federal (STF), recentemente, vinculou a redução de jornada à homologação sindical, e as medidas que propiciam linhas de créditos, tanto nas esferas estadual ou federal, são difíceis de conseguir, exigindo desde fiador, nenhuma restrição e outras que fazem a contratação impossível.

“Ou seja, impraticável conseguir qualquer linha de financiamento ao microempreendedor”, destaca Larissa.

O Governo Federal adotou medidas visando diminuir o impacto sobre os empresários optantes do Simples com redução de impostos e determinando a suspensão por três meses do recolhimento do FGTS, dentre outras.

Mas o Estado de Santa Catarina e o Município de Lages, ao adotarem as medidas de isolamento, não trouxeram medidas compensatórias visando mitigar os efeitos do fechamento dos estabelecimentos.

“Estamos encaminhando ofícios aos governos Estadual e Municipal solicitando medidas compensatórias dos danos, pois esclarecemos e entendemos que o lazer é direito humano constitucionalmente garantido e estamos tentando prestar nossos serviços da forma mais responsável possível”, esclarece Larissa.

Segurança em primeiro lugar

Segundo o núcleo de bares e casas noturnas, os bares que estão funcionando têm adotado medidas de segurança e sanitárias visando evitar a propagação do vírus. É disponibilizado álcool gel e feita a conscientização do público.  A sanitização dos ambientes é feita para manter a segurança dos funcionários e clientes.

Participantes do Núcleo: 747 Pub Universitário, Container Bar, Centro Serra Convention Center, Condado, Embaixada Cervejas Artesanais, Galeria Bar, Mist Lounge Bar e Vegas Bar Universitário.

clique para comentar

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com