Esportes

Voluntários levam cadeirantes em prova de rua

Published

em

Dona Cema em sua primeira prova sendo conduzida pelos voluntários - Foto: Divulgação

A Corridas do Bem do Sesi, neste domingo, terá a presença dos voluntários do projeto Pernas de Aluguel. A ideia é divulgar e conseguir patrocínio para comprar mais cadeiras adaptadas. Eles possuem uma única unidade.  

O projeto Pernas de Aluguel, desenvolvido por voluntários de Lages, consiste em promover diversão para pessoas com deficiência. A atividade é empurrar a cadeira adaptada em provas de rua. O cadeirante é conduzido por dois voluntários que se revezam durante a corrida.

A ação conta com cerca de 10 voluntários e oportuniza aos participantes transformar a linha de chegada em algo mais especial do que normalmente é. “A sensação de liberdade é genial”, explica a cadeirante Iracema Aparecida da Silva, de 50 anos. Ela participou da corrida alusiva ao aniversário do 6º Batalhão de Polícia Militar, no ano passado.

Apesar de ser deficiente, ela tem certa facilidade de locomoção e, por essa razão, vê a importância do projeto, pois deve ajudar quem não sai de casa, por exemplo, por um motivo ou outro. “Seria uma experiência quase única, sentir essa sensação de domínio do corpo e se sentir parte da sociedade”, explica Cema. “Se tiver oportunidade, quero repetir a experiência”, completa.   

Surgimento

A criação do projeto partiu do soldado da Polícia Militar (PM) William Albanaz Lima. Ele adianta que não tem finalidade de lucro, porém, “tem início, meio e fim de pura diversão”. O grupo atua em corridas de rua “transportando” crianças, adolescentes e adultos assistidos pelas instituições apoiadas pelo Pernas de Aluguel.

“Vi uma reportagem na TV. Corredores de outros estados, tanto profissionais quanto amadores, levavam em suas corridas cadeirantes em triciclos adaptados para serem empurrados durante provas de rua e senti a necessidade de fazer algo semelhante aqui em nossa região. Em parceria com o sargento da  PM Ademir Ferreira Dias, começamos a concretizar esse projeto”, explica .

No início de 2018, ambos buscaram ajuda na Asdef. Lá encontraram o cadeirante Valcir (marido da dona Cema) e ele fabricou o primeira protótipo, até então único, de cadeira adaptada para as corridas.

William lamenta não ter mais cadeiras, mas, ao mesmo tempo, acredita que a medida que o projeto ganhe visibilidade, a sensibilidade das pessoas aflore e comecem a se voluntariar e até a patrocinar a compra de novas cadeiras.

Uma unidade custa em média R$ 1.400 e é adquirida em São Paulo. No entanto, há um fornecedor em Joinville que pode baratear o custo, desde que se tenha verba para negociar. “O propósito do projeto é atingir pessoas com todos os tipos de deficiência, de qualquer idade. Com mais cadeiras isso pode acontecer”, acrescenta o soldado.

clique para comentar

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com