Notícias

Polícia Civil apreende medicamentos proibidos em dois endereços de Lages 

Published

em

Embalagens não tinham sequer rótulos - Foto: Divulgação

Duas pessoas, uma mulher e um homem, foram presas em flagrante na manhã desta quinta-feira (17), em Lages, suspeitas de comercializar medicamentos usados para emagrecimento, proibidos por lei. As prisões aconteceram nos bairros Petrópolis e Ipiranga, em cumprimento a dois mandados de busca e apreensão. O inquérito policial apura a morte de uma mulher de 27 anos, moradora de  Lages, que teria feito uso deste tipo de medicamentos. 

Em abril deste ano, ela foi encontrada morta em casa, sem sinais de violência. A causa inicial foi registrada como morte natural, pois a jovem foi levada ao Pronto Atendimento já em óbito. O médico plantonista desconfiou e acionou o médico-legista do Instituto Geral de Perícias (IGP) de Santa Catarina, André Gargioni. 

Segundo Gargioni, pensou-se no primeiro momento que a morte teria sido por causa natural, no entanto as investigações médico-legistas apontaram que a morte foi por causa de uso de substância comprada pela Internet para emagrecer, ditas naturais, o que causou edema pulmonar e lesão no coração. “Foi encontrado, tanto no corpo da vítima, quanto nas cápsulas Diazepam com Sibutramina”, explica. Ele alertou as autoridades e, a partir deste caso, a Polícia Civil começou as investigações para descobrir quem comercializava esses tipos de medicamentos com substâncias adulteradas.

O delegado, Rochel Amaral da Silva, da Central da Polícia Civil disse que, na operação de ontem, foram apreendidos 27 frascos de um remédio e similares usados para emagrecimento. O delegado explicou que a prisão em flagrante se deu por ausência de informações sobre a procedência do produto. “As embalagens sequer tinham rótulo”, afirma.

A polícia investiga se essas duas pessoas seriam ou não responsáveis em fornecer o medicamento para a mulher que morreu após usar o remédio. O inquérito está com a 3ª DP. A ação teve a participação de 12 policiais. O nome dos suspeitos não foi revelado.

clique para comentar

Deixe uma resposta