Conecte-se a nós

Notícias

Lula veta projeto da Mega Sena extra para Santa Catarina

Published

em

Brasília, 23/06/2010, Assessoria de imprensa

 

O presidente da República, Luis Inácio Lula da Silva, vetou nesta quarta-feira, 23, o projeto de lei que autoriza a realização de um sorteio extra da Mega Sena, de autoria do senador Raimundo Colombo.

 

O concurso teria parte da renda revertida para as vítimas das catástrofes de 2008, que atingiram o Estado. De acordo com o veto de Lula, o projeto foi qualificado como contrário ao interesse público, mesmo beneficiando cerca de 3 mil pessoas e vários municípios do Vale do Itajaí que ainda sofrem com os efeitos da calamidade  daquele ano.

 

Para Colombo, a decisão é mais uma prova do descaso do governo federal com Santa Catarina. “É uma vergonha vetar um projeto aprovado pela câmara e pelo senado. O governo federal dá um tapa na cara dos catarinenses”, indigna-se Colombo.

 

De acordo com o veto do presidente, a decisão foi tomada após consultar o Ministério da Fazenda, que argumentou que o projeto ‘exclui da divisão dos recursos arrecadados com o concurso especial da Mega Sena os valores atribuídos à Seguridade Social e a investimentos em Esporte, Educação, Cultura e Segurança’.

 

Atualmente, nos sorteios regulares da loteria, o apostador fica com 51% do total arrecadado e o restante é destinado a projetos sociais em diversas áreas, descontando 9% para as lotéricas. Na proposição de Colombo, apenas o sorteio extra teria uma destinação diferenciada, não acarretando ônus aos projetos já contemplados.

 

Do total apurado, 44,02% seria encaminado ao apostador, 8,61% para a remuneração das lotéricas e 47,37% seriam encaminhados para o Governo do Estado, com destino às vítimas das enchentes.

 

 

Defensor do projeto e líder ativo na busca de recursos para a reconstrução de Santa Catarina, o deputado federal Paulo Bornhausen, relator do projeto na câmara, declarou-se perplexo com os argumentos do veto. “Na ‘justificativa’ do veto, é dito que o governo destinou recursos de R$ 1,6 bilhão para atender as necessidades emergenciais, sendo que a Defesa Civil destinou diretamente para Santa Catarina R$ 360 milhões”, afirma o deputado.


 
Burocracia marcou trâmite no congresso

 

O projeto foi encaminhado para o Senado em fevereiro de 2009. Após a tramitação na Casa, passou a Câmara dos Deputados e, em 31 de março deste ano, recebeu o parecer favorável em caráter terminativo pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

 


Assim que foi enviado para a sansão presidencial, o deputado do PT de São Paulo, Devanir Ribeiro, entrou com um requerimento barrando a tramitação final do projeto. Entre as assinaturas do requerimento estava presente o nome do deputado Décio Lima (PT-SC).

 

Devido à pressão popular, o requerimento foi retirado e o projeto foi enviado à Presidência, sendo vetado. “Só mesmo a mesquinharia política e o revanchismo que ainda comandam a nação brasileira explicam o veto do presidente a uma ajuda claramente necessária.

 

O catarinense, no entanto, não esmorece jamais. Vamos vencer mais essa batalha; já vencemos adversários mais fortes, como a própria revolta da natureza. Aos que nos agridem, responderemos, serenamente, com o nosso sucesso, com a nossa força e com o desprezo das urnas”, finaliza Bornhausen.

 


Sobre as catástrofes: No final de 2008, Santa Catarina foi atingida por uma série de catástrofes naturais que devastaram o Estado. As chuvas em excesso afetaram cerca de 60 municípios e 1,5 milhão de pessoas. O número oficial de óbitos é de 135 pessoas e duas pessoas ainda estão desaparecidas. De acordo com a Defesa Civil Estadual, no final de 2009, 2,4 mil famílias continuavam desabrigadas e 3,6 mil permaneciam desalojadas nos municípios afetados.
 

Foto: ilustrativa/divulgação

Anúncio
clique para comentar

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: