Conecte-se a nós

Notícias

Cresce em 2010 número de municípios que decretaram estado de emergência ou calamidade

Published

em

Brasília, 23/06/2010, Agência Brasil

 

O número de municípios que decretaram estado de calamidade pública ou de emergência no primeiro semestre de 2010 já é superior ao total registrado em todo o ano de 2009. Foram 1.635 portarias de reconhecimento emitidas de 1° de janeiro a 16 de junho contra 1.389 em todo o ano passado. O levantamento foi feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) com base nas portarias emitidas pela Secretaria Nacional de Defesa Civil.

 

O estado de emergência é decretado quando há um reconhecimento pelo poder público de uma situação anormal, provocada por um ou mais desastres, que causa “danos superáveis” à comunidade afetada. Já a situação de calamidade é um reconhecimento de que há “sérios danos à comunidade afetada, inclusive à incolumidade ou à vida de seus integrantes”.

 

A maioria das portarias emitidas em 2010 se referem a desastres relacionados às chuvas, incluindo enchentes, alagamentos, enxurradas, deslizamentos de terra, inundações, vendavais e granizo. São 1.028 registros, o que representa 62% do total. Em seguida, aparecem os desastres relacionados à seca, com 588 ocorrências.

 

As regiões Sul e Nordeste foram as mais afetadas durante 2010, com 753 e 472 portarias emitidas respectivamente. Já entre os estados, os que tiveram mais decretos emitidos no período foram Santa Catarina (380), Rio Grande do Sul (286), Bahia (177) e Minas Gerais (166).

 

A entidade destaca que, entre 2003 e 2009, “vários municípios sofreram problemas recorrentes”. Na lista dos 30 mais afetados está Sobral (CE), com 18 portarias emitidas durante o período. “No Brasil, todos os anos, ocorre uma repetição de desastres naturais. Com a crescente urbanização em áreas inadequadas, consideradas de risco, os danos humanos e os prejuízos econômicos se agravam cada vez mais”, diz o estudo.

 

A confederação também apontou que as verbas do governo federal são mais focadas na resposta aos desastres do que na prevenção. Segundo a entidade, o orçamento dos dois programas relacionados à Defesa Civil, Prevenção e Preparação para Desastres e Respostas aos Desastres, cresceu de 2003 a 2009. Mas o gasto continua concentrado na contenção dos efeitos causados pelos desastres.

 

O programa de prevenção atingiu seu investimento máximo em 2008, quando foram gastos R$ 57,4 milhões, enquanto o valor pago na resposta aos desastres foi de R$ 388 milhões. Em 2009, o programa de resposta a tragédias teve seu maior gasto: R$ 1,1 bilhão. No mesmo período, foram investidos R$ 47 milhões na prevenção.


Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Compartilhe
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Cinema

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade do Correio Lageano e Portal CLMais