Notícias

Escola de Lages espera classificação para a fase nacional de Olimpíada Brasileira de Astrofísica

Published

em

As provas reuniram nove equipes - Foto: Bega Godóy

Cerca de 90 estudantes do ensino médio, da Escola de Educação Básica São Judas Tadeu, em Lages, participaram da Olimpíada Brasileira de Astrofísica, na tarde desta quarta-feira (15). A experiência aconteceu no campo de futebol do Centro de Ciências Agroveterinário (CAV/Udesc).

Foguetes construídos com garrafas pet e usando vinagre e bicarbonato de sódio como combustível para gerar a reação química de lançamento foram apresentados pelos participantes. Os trabalhos foram coordenados pela  professora Cristiane Hamann. A atividade aconteceu também em outras regiões do Brasil envolvendo mais de 1.400 alunos de escolas públicas e particulares.

Além da escola São Judas Tadeu, de Lages, outras cinco unidades escolares se inscreveram para a prova teórica (outra modalidade da Olimpíada). Essa prova acontece nesta sexta-feira (16) em todo o país.

Cristiane explica que a Escola São Judas Tadeu foi inscrita nas duas modalidades: prática (lançamento) e teórica (prova individual com 10 perguntas de astronomia). Existe uma classificação e no lançamento do foguete por exemplo, a maior distância percorrida (189 metros) durante a prova de quarta-feira (15) foi lançada no site oficial da Olimpíada e se estiver entre as 58 melhores marcas, as escolas são convidadas a participar da fase nacional que acontece no Rio de Janeiro, em novembro.

A bióloga acrescenta que a Olimpíada teve como objetivo fomentar a pesquisa científica na disciplina de física e atribuir o conhecimento em outras áreas na construção de foguetes, foco dessa competição.

Nove equipes participaram da experiência e, segundo a professora, todas tiveram resultados surpreendentes. “Superaram a expectativa da plateia que vislumbrou os lançamentos que alcançaram de 30 metros a 189 metros, que foi o caso da equipe Jupteriana composta por Diogo, Renan, Karine, Amanda, Paulo e Yuri”, afirma a bióloga.  

A professora Cristiane salienta, ainda, a importância da pesquisa, criação e comprovação de resultados promissores para os alunos, que dedicaram-se em testes e muito estudo sobre física e a astronomia. Todos receberam certificados e medalhas

clique para comentar

Deixe uma resposta