Conecte-se a nós

Published

em

Sesi e Senai passam por reestruturação, com gestão unificada em todas as unidades do País. Aqui na Serra Catarinense, Sílvia De Pieri Oliveira será a responsável por esta gestão e falou ao CL sobre os projetos ligados ao ensino médio, a partir dessa mudança

Correio Lageano: A senhora poderia falar sobre essa reestruturação pela qual passam o Sesi e o Senai?

Sílvia De Pieri: A reestruturação Sesi/Senai começa no nosso departamento regional com a unificação da gestão. Hoje, temos uma superintendência Sesi e uma direção regional Senai que respondem por toda gestão. Esse desenho ganha forma nas 12 regionais de Santa Catarina. A ideia é a unificação da gestão, preservando a cultura Sesi e a cultura Senai, mas implementando algumas ações estratégicas integradas que levem a soluções junto a nossos clientes, que é a indústria, para que a gente possa se tornar ainda mais resolutivo.

Essa mudança também significa a mudança das estruturas físicas do Sesi e do Senai?

Em todas as regiões serão preservadas as unidades de atendimento, as unidades físicas, porque já temos os clientes que estão diariamente conosco, e o atendimento permanecerá nos locais e estruturas que temos. No entanto, existe um plano de melhoria da estrutura, para que a se possa fazer uma gestão mais compartilhada. De estrutura física e de pessoas.

Qual será a primeira ação integrada entre Sesi e Senai?

Será com relação ao ensino médio. Une o Sesi que é a maior rede de educação privada do Brasil ao Senai que é a maior entidade de educação profissional da América Latina. A ideia é oferecer um ensino médio que tenha a competência Sesi/Senai, onde o aluno vai fazer o ensino médio e poderá complementar com a educação profissional. Ele vai desenvolver as competências nas áreas de ciências, tecnologia, linguagens; e estar cada vez mais preparado para o mercado de trabalho.

Atualmente, apenas 20% dos alunos brasileiros que saem do ensino médio dão continuidade aos estudos, ingressando numa universidade. O restante sai direto para o mercado de trabalho, sem qualificação, o que compromete o futuro desses jovens. De que forma, Sesi e Senai podem trabalhar para melhorar esses números?

Hoje, em países desenvolvidos como Áustria e Finlândia, 70% dos jovens que cursam o ensino médio, cursam, também, o ensino técnico. No México, 40% desses alunos fazem curso técnico. No Brasil, apenas 9% desse público está na educação profissional. A ideia é reforçar a importância da educação profissional junto ao tradicional ensino médio. Ele poderá ter dois certificados ao final dos três anos de estudo, e estará preparado para uma carreira profissional, assim como para a continuidade da vida acadêmica. É nesse eixo que precisamos trabalhar. Além disso, esses alunos terão mais acertividade na escolha de uma profissão e a continuidade na área acadêmica. É importante reforçar que isso não é uma obrigatoriedade. O aluno que começa conosco no ensino médio, tem o primeiro ano com iniciação profissional e terá contato com alguns cursos para saber qual definirá, a partir do segundo ano, mas se não tiver interesse por algum curso técnico, poderá apenas cursar o ensino médio. Isso porque tem aqueles que querem se preparar para os vestibulares, para o Enem, e precisa de um tempo melhor para esse estudo. Nossa média do Enem é superior à média nacional. Nossos alunos estão preparados para a vida acadêmica e para a educação profissional.

Esse sistema está de acordo com as mudanças do novo ensino médio e a Base Nacional Comum Curricular?

Com a reforma do ensino médio, existe uma parte que você pode tornar flexível e, com essa parte, você já vai ter prevista a qualificação profissional. Nós, no Sesi/Senai nos antecipamos, já fazemos essa prática há longa data. Quando a gente prepara os alunos para a área do conhecimento na tecnologia, na linguística, na ciência e na robótica, também tem essas escolhas para saber qual a profissão vai assumir e como vai se especializar. Então, estamos alinhados com a proposta do novo ensino médio.

Com esse sistema, como serão as aulas e onde vão acontecer?

Nas 14 escolas de ensino médio do Senai, hoje, no Estado, o Sesi faz parte da gestão e vamos preservar, manter as aulas dentro das unidades do Senai, por conta de que, além das salas de aula bem estruturadas, o Senai tem seus laboratórios de educação profissional. Então, o aluno permanece estudando no Senai, mas com toda estrutura do Sesi disponível. Hoje, somos os grandes organizadores dos torneios de robótica local, estadual e nacionalmente. No Sesi, temos essa estrutura de robótica e educação maker para desenvolver as competências dos nossos alunos, além das habilidades socioemocionais previstas como habilidades de trabalho em equipe, de comunicação, de criatividade, necessárias à preparação desses futuros trabalhadores e cidadãos.

Anúncio
clique para comentar

Deixe uma resposta