Essencial

Casarão Juca Antunes tem previsão de entrega para até final de junho

Published

em

Projeto do Casarão Juca Antunes encontra-se na fase de conclusão da cobertura definitiva  Fotos: Marcela Ramos 

Construído por volta de 1850, o  patrimônio histórico Casarão Juca Antunes, localizado na esquina das ruas Benjamin Constant com a Coronel Córdova, no Centro de Lages, está bem próximo de reabrir as portas.

Segundo a assessoria da empresa responsável pela revitalização, a China Three Gorges (CTG Brasil), a previsão de entrega da obra é o primeiro semestre de 2020, ou seja até o mês junho.  

O projeto prevê a restauração completa da casa, pintura e outras adequações na estrutura como telhado, forro e piso.

Já foram concluídos o restauro do salão anexo, em madeira, a remoção dos escombros e limpeza das áreas interna e externa, bem como o reforço das colunas e restauro de todas as paredes em alvenaria e a execução da estrutura do piso.

Conforme o e-mail enviado pela assessoria da CTG, o projeto encontra-se na fase de conclusão da cobertura definitiva. “Nos últimos dias, foi concluída a remoção da cobertura provisória, ação que envolveu serviços no entorno do casarão. O tapume será removido apenas na conclusão da obra para preservar a segurança dos pedestres”, consta.

Tombado há 18 anos pela Fundação Catarinense de Cultura (FCC), o casarão possui 245 metros quadrados de área construída.

Sob a responsabilidades da empresa CTG Brasil, as obras são executadas pela Terra Engenharia com o apoio da Prefeitura de Lages e da Fundação Catarinense de Cultura (FCC). 

Custando aproximadamente R$ 1 milhão, a restauração do casarão trata da reprodução da estrutura com emprego de técnicas e, principalmente, materiais (neste caso, madeiras e telhas) com características semelhantes aos empregados na época em que o imóvel foi construído, na medida do possível.

Em março de 2017, a empresa que realizou o projeto de revitalização foi definida. Mas apenas em 2018 o projeto foi finalmente aprovado pela FCC, órgão que pediu ajustes no projeto. E, no primeiro semestre de 2019, as obras foram iniciadas. 

O coordenador de difusão e articulação cultural da FCL, Fabricio Furtado, afirma que o Casarão Juca Antunes é um patrimônio histórico-cultural da região serrana.

“Além da importância histórica, a arquitetura remete a um período de capítulos importantes da vida do lageano. É uma representação que tem um valor aliado não somente ao nosso passado. Com a restauração e a destinação correta, temos a certeza que a comunidade fará parte desse processo de valorização da nossa identidade. Uma boa forma de aprender sobre o Casarão Juca Antunes é conhecer o Museu Histórico Thiago de Castro, que abriga uma linda história sobre o local”, comenta. 

Uso do espaço não foi definido

Depois de pronta, a estrutura será novamente entregue para o município. Ainda não está definida a sua utilização. Segundo Fabrício, a utilização do espaço não será definida sem uma consulta à sociedade civil representada pelos conselheiros de patrimônio da cidade. “A preocupação do prefeito Antonio Ceron é agregar todos os envolvidos, para que esse equipamento cultural possa abranger toda a comunidade interessada.

Prédio foi construído no século 19

Situado no Centro de Lages, o casarão pertenceu ao Coronel José Antunes Lima, conhecido como Juca Antunes, importante político da região. A residência foi construída por volta de 1850, de acordo com o pesquisador Fabiano Teixeira. A estrutura é o último registro do século XIX e em arquitetura luso-brasileira, em Lages.

A desapropriação e a posse da estrutura só aconteceram no final do ano passado, após decisão judicial. No trabalho do pesquisador Fabiano Teixeira, ele explica que as paredes internas foram construídas em pau-a-pique, solução incomum para a época, pois a maioria das residências eram construídas em taipa de mão ou madeira.

Na esquina das Ruas Coronel Córdova com a João de Castro, foi demolida uma casa semelhante ao casarão, na década de 1940, e no local construída a Agência de Correios, além de moradias nas esquinas da Rua Nereu Ramos com a Praça João Ribeiro. Juntamente ao Palacete Gamborgi, no encontro das ruas Marechal Deodoro e Hercílio Luz, o casarão foi tombado em 1990 como Patrimônio Estadual de Santa Catarina.

Em 2006, o Casarão Juca Antunes passou por uma reforma, que custou R$ 91 mil, com a recuperação do jardim, parte elétrica e hidráulica, aberturas, forro, telhado e calçadas, além da construção de banheiros e outros resgates arquitetônicos. Na época, o local foi utilizado como mercearia. Três anos depois, sofreu interdição, mas na época, ainda pertencia a uma família lageana.

clique para comentar

Deixe uma resposta