Geral

Bueiros entupidos agravam problemas das enchentes

Published

em

Na Rua Hermes da Fonseca e Mário Vieira da Costa, no Sagrado, os alagamentos são constantes

As fortes chuvas dos últimos dias têm castigado moradores em vários bairros de Lages, provocando uma série de prejuízos e transtornos. Vários pontos de alagamentos foram registrados. A maioria das ocorrências foi provocada por bueiros entupidos, muitos deles obstruídos pelo lixo descartado de forma incorreta pela própria população. A prefeitura diz que está trabalhando para resolver os problemas.

Na semana passada, foram dois fortes temporais, na terça-feira (11) e no sábado (15), com muita chuva e vento forte. Tais episódios provocaram alagamentos em vários pontos da cidade, causando danos diversos. A Defesa Civil informou que foram registradas cerca de 80 ocorrências. O órgão distribuiu lonas para as famílias que tiveram suas casas destelhadas com o vento que veio junto com a chuva.

O entupimento de bueiros e galerias de água pluvial agrava o problema das enchentes. É o caso das ruas Hermes da Fonseca e Mário Vieira da Costa, no Bairro Sagrado Coração de Jesus. Os moradores que lá vivem sofrem com alagamentos constantes há cerca de quatro anos e no último fim de semana, não foi diferente.

Segundo eles, quando chove forte, a água acumula na galeria e volta para a rua e até pela tubulação das residências, alagando cerca de 10 casas na região. O problema é que há tubulação de dois tamanhos diferentes, o que acaba interferindo na vazão da água.

Sonia Aparecida Souza, de 55 anos, é uma das moradoras afetadas. Ela contou que já foi atingida por várias enchentes e perdeu muitos móveis. Na chuva do último sábado, a água entrou em sua casa e causou uma série de danos.

Revoltada com a situação, Sonia cobra uma solução para o problema e afirma que vai tomar uma medida extrema para chamar a atenção, caso não seja atendida. “Não dá mais, estamos sendo muito castigados”, desabafou.

Os últimos alagamentos também causaram problemas a moradores da Rua Zeca Atanásio, no mesmo bairro. Lá, o sistema de drenagem pluvial é insuficiente para receber uma quantidade elevada de água, o que acaba provocando alagamento nas residências.

“Toda precipitação entre as vias Luis de Camões, XV de Novembro, Humberto de Campos e Belisário Ramos precisa passar por dois córregos canalizados que se afunilam em um único lugar: na Rua Zeca Atanásio”, conta o morador Romeu Francisco Palaoro Pavan.

Moradores do Bairro Guarujá também sofreram com as últimas enchentes. Na Rua Frei Henrique de Coimbra, um riacho transbordou e alagou várias casas. A residência da aposentada Cecília da Silva, de 70 anos, foi invadida pela água. Na segunda-feira (17), ela limpava a lama que se acumulou no imóvel. “Não é fácil”, reclamou.

Cecília contou que há oito anos sofre com os alagamentos. No ano passado, a Defesa Civil chegou a interditar sua residência depois de uma enchente, e continua interditada. Depois disso, ela foi morar de favor na  casa de uma conhecida, no mesmo bairro. Na segunda, também, apenas limpava o imóvel atingido pela lama.

Foto: Fábio Pavan/ Divulgação

Presidente do Guarujá reclama da falta de estrutura no bairro

O presidente da Associação de Moradores do Bairro Guarujá, Luís Borges, reclamou que a falta de infraestrutura nas ruas do bairro vem ocasionando sofrimento e desespero às famílias atingidas pela enxurrada. No último sábado, ele diz que atendeu a 12 ocorrências.

Afirmou que diversos fatores estão contribuindo para aumentar as ocorrências, dentre eles, a tubulação com diversos tamanhos, bocas-de-lobo entupidas e galerias obstruídas pelo lixo urbano. Aliados a outros fatores, como o alto volume de precipitação, estes problemas agravam os alagamentos.

“A associação vem há muito tempo chamando a atenção do Poder Público para este caos. O bairro vem crescendo numa velocidade fora do normal, todavia, o investimento na infraestrutura não vem na mesma proporção”, comentou o líder comunitário.

Luís afirmou que, se não melhorar a infraestrutura do bairro, “corremos o risco de um impacto desestruturado muito grande. Poderá chegar um momento em que os próprios moradores se obriguem a fazer o investimento que é de obrigação do poder público”.

A aposentada Cecília da Silva teve a casa invadida pela enxurrada

Prefeitura diz que está trabalhando para resolver os problemas

O secretário de Meio Ambiente do município, Euclides Mecabô, afirmou que a prefeitura vem trabalhando com frequência na limpeza de bueiros e galerias da cidade, amenizando as enchentes. Ontem, equipes trabalhavam nos bairros.

Mecabô disse que as fortes chuvas que atingiram Lages na semana passada foram fenômenos atípicos, visto o alto volume de precipitação. Só no sábado, choveu 38 milímetros, quase um terço da média mensal de chuvas na região da cidade.

“Tivemos muitos problemas com bueiros entupidos por entulhos e lixo, além de alagamento de casas que ficam no nível abaixo das ruas. Estamos correndo para resolver os problemas e o que for de serviços de limpeza, vamos fazer”, prometeu o secretário.

Ele afirmou que a prefeitura está resolvendo os problemas emergenciais, como limpeza de bocas-de-lobo e desobstrução de bueiros. Quanto aos problemas causados por tubulações com tamanhos diferentes e casas no nível abaixo da rua, afirma que essas são situações crônicas e requerem um planejamento mais detalhado.

Em relação aos problemas na rua Frei Henrique de Coimbra, no Guarujá, o secretário de Planejamento e Obras, Clayton Bortoluzzi, informou que tomou uma medida emergencial para atenuar e solucionar o impasse. Ontem, máquinas da prefeitura trabalhavam no local para evitar futuras inundações. O objetivo é alargar a galeria para aumentar a vazão.

“O alto volume de água da chuva estrangulou o sistema de drenagem pluvial, que não suportou a carga e falhou, tendo sua eficiência prejudicada, situação agravada por obstáculos como galhos, folhas, e terra e entulhos, provocando a interrupção do fluxo e, consequentemente, o alagamento de moradias na região”.

A prefeitura sustentou que, a princípio, estão sendo atendidos os problemas mais urgentes e foi criada uma força-tarefa de desobstrução de bueiros, limpeza de valas, colocação de tubulação e substituição de tubos de diâmetro menor por maior.

Máquinas da prefeitura trabalham na Frei Henrique de Coimbra, no Guarujá, onde há problema em uma galeria

clique para comentar

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com