Notícias

Vereadores discutem veto de prefeito e provocam confusão nas redes sociais

Published

em

Foto: Eduarda de Liz /Câmara de Lages/Divulgação

O veto do prefeito de Lages, Antonio Ceron (PSD), a um Projeto de Lei apresentado pelo vereador Maurício Batalha (Cidadania), foi o estopim para mais um episódio de confusão na Câmara de Vereadores de Lages envolvendo o vereador Jair Junior (PSD). Uma frase dita em plenária por Jean Pierre, líder do governo na Casa e correligionário de Jair, foi interpretada por este como uma possível ameaça. Diante disso, Jair publicou em suas redes sociais um vídeo com a tal frase, provocando uma enxurrada de comentários negativos contra Jean.

Durante a sessão deliberativa da última segunda-feira (17), os edis se posicionavam sobre o veto ao projeto de lei 003/2019, que foi considerado inconstitucional pelo Executivo. O projeto dispõe sobre a obrigatoriedade de divulgação da quantidade de inserções e publicações, período de divulgação e valores pagos em publicidade pela Prefeitura de Lages. Em sua fala, Jair disse que desafiava Jean a apresentar qual ponto da proposta é inconstitucional.

Ao retomar a palavra, Jean disse “não tenho mais 15 anos para ser desafiado, o último desafiado morreu com uma faca no coração, semana passada, lá no cachorro quente”, em alusão ao assassinato de Guilherme Muniz, ocorrido na madrugada de 8 de junho, após uma discussão.

Poucas horas depois da sessão, o vídeo de 34 segundos, editado com as falas de Jair e Jean, já circulava nas redes sociais. Como resposta, na madrugada de terça-feira (18), Jean publicou em suas redes sociais uma nota de esclarecimento escrita pela sua assessoria jurídica.

Em entrevista ao Correio Lageano, Jair disse que sua equipe costuma publicar vídeos editados sobre assuntos debatidos em plenária, para mostrar apenas determinados assuntos, por isso fez a edição da sessão de segunda-feira, com o intuito de mostrar apenas sua fala e a resposta de Jean.

“Confesso que fiquei em dúvida no primeiro momento. Por isso, voltei para a tribuna e falei: ‘se fui ameaçado, quero dizer que não tenho medo de ameaça’. Não afirmei que ele me ameaçou, porque não sei que expressão ele quis usar, mas na hora que ele falou, pareceu em tom de ameaça”, afirma, destacando que mesmo após assistir novamente ao vídeo não tem certeza de que se trata de uma ameaça.

“Ainda tenho dúvidas se ele me ameaçou ou só teve uma frase infeliz”, comenta, ressaltando que não definiu se moverá ação judicial ou fará algum trâmite interno na Câmara contra a postura de Jean.

Contraponto

Jean recebeu o Correio Lageano, na tarde de terça-feira (18), na Câmara de Vereadores, acompanhado de seu assessor jurídico, Fábio Covolan. Bastante abalado pela repercussão negativa, o vereador assume que cometeu um equívoco ao usar a morte de Guilherme como exemplo e garante estar arrependido. Ele afirma que, em momento algum, teve o intuito de ameaçar Jair com a frase que falou.

Segundo Jean, a intenção foi dizer que a plenária não é local para se fazer desafios, pois pode gerar conflitos e resultar na exaltação de egos. “Não queremos briga, não queremos esse tipo de discussão e não queremos esse negócio de desafio. Aqui, ninguém tá pra se desafiar, não é essa a questão. Aqui é [lugar] para discutir se a lei é importante pro município ou não”.

Para Jean, seu colega de partido utilizou de má-fé e foi oportunista ao editar o vídeo e publicá-lo. “Não tenho problema nenhum em me desculpar com a família, porque não era essa a conotação [que queria dar]. Pelo contrário, a ideia é não provocar briga.”

Na sessão de terça-feira, Jean usou a tribuna da Câmara para se desculpar pelo que ele considera um mal-entendido. “Quero me desculpar com a família e com os amigos [de Guilherme], porque jamais tive o objetivo de prejudicar o nome de alguém. Minha fala foi no sentido de ser contra insultos e contra briga, porque isso não leva a nada e esse foi o exemplo que eu queria dar. E me arrependo do exemplo com toda certeza. Poderia ter citado outros.” Jean também disse que vai acionar Jair judicialmente pelos fatos ocorridos.

 

clique para comentar

Deixe uma resposta