Notícias

Termina a série de entrevista com os vereadores de Lages

Published

em

Foto: Câmara de Vereadores/Divulgação

No segundo semestre de 2019, o Correio Lageano realizou entrevistas com os vereadores de Lages. Dos 16 vereadores, apenas três não aceitaram conversar com os jornalistas. O presidente da Câmara Vone Scheuermann (MDB), Aida Hoffer (PSD) e Jean Pierre (PSD). 

A produção do CL iniciou o contato com os vereadores e seus assessores em maio, a primeira entrevista foi realizada em 4 de junho, com Jair Júnior (PSD) e publicada em 4 de setembro.

Todas as entrevistas foram realizadas na redação do jornal e gravadas em vídeo, a publicação no jornal impresso aconteceu sempre às segundas-feiras e no portal CLMais às quartas-feiras.  

O vereador Jean Pierre chegou a confirmar a entrevista em junho, mas declinou. Depois disso, foram diversos contatos, diretamente com o vereador e com a assessoria no gabinete, entre junho e novembro, para agendar uma nova data.

Na terça-feira (26), após contato telefônico ficou de retornar se poderia conversar na semana, porque, segundo ele, estava com muitas demandas. Na quinta-feira (29) o editor do jornal Mauro Maciel recebeu um ofício, entregue em mãos, com a justificativa do vereador: “Em virtude da enorme demanda de trabalho, tanto na Câmara de Vereadores e em constante atendimento a comunidade por toda a cidade, ainda exercendo a liderança do governo, em articulação com o Executivo Municipal, fica impossibilitado de estar presente para a realização da entrevista.” 

O vereador Vone Schwermann também foi procurado, insistentemente, e e durante os meses de junho e novembro sempre pedia para agendar para o final da série, por estar muito ocupado. Recentemente, por telefone, disse que não estava interessado em dar entrevista e justificou. “Não gosto de dar entrevistas, é um direito meu. Pode ver que eu não vou em lugar algum dar entrevistas.”

A vereadora Aida está em licença, de 60 dias,  para acompanhar o marido em tratamento médico, entretanto, antes mesmo de pegar a licença, de 45 dias, pelo mesmo motivo, o jornal entrou em contato por aplicativo de mensagem e pelo celular, e não teve retorno. O mesmo aconteceu com a assessoria no gabinete que, mesmo sendo informada do assunto, não deu resposta.

A assessoria disse que o jornal deveria conversar com o suplente Ênio do Vime (PSD). A série é destinada aos detentores do cargo, não aos suplentes, se Ênio fosse ouvido, todos os outros suplentes que assumiram, nesta legislatura, deveriam ser entrevistados também.

clique para comentar

Deixe uma resposta