Conecte-se a nós

Notícias

Superexposição de casos de pedofilia prejudica vítimas e sociedade, afirma entidade

Published

em

São Paulo, 20/06/2010, Agência Brasil

 

A superexposição e o sensacionalismo na abordagem de casos de abuso sexual contra crianças e adolescentes acabam trazendo prejuízos para os envolvidos e para a sociedade.

 

O alerta é do presidente da Fundação Criança Ariel de Castro, que é também membro do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda)

 

Segundo ele, a maneira como o assunto vem sendo tratado pelos meios de comunicação e pela Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Pedofilia, no Senado, não é boa para as vítimas desse tipo de crime, nem para a sociedade.

 

Castro afirma, porém, que a divulgação dos casos é importante, porque encoraja as pessoas a denunciar mais. "Nunca o Disque 100 [serviço telefônico que recebe denúncias de exploração sexual contra crianças e adolescentes] recebeu tantas ligações como atualmente."

 

Ele atribui ao clamor gerado pela CPI da Pedofilia a alteração no Código Penal que, na prática, transformou o atentado violento ao pudor e o estupro em um único crime, com a intenção de aumentar a punição para os que cometerem o primeiro dos dois delitos.

 

Entretanto, pessoas condenadas pelas duas modalidades acabaram tendo as duas penas reduzidas para apenas uma.

 

“Como aquilo [mudança na lei] foi feito de forma apressada e sem a análise de uma comissão de juristas, acabou sendo aprovado e agora está sendo um fator que está beneficiando os réus.”

 

De acordo com Castro, outro problema é a exibição de vídeos de depoimentos das vítimas de abuso. Mesmo com o uso de recursos para ocultar a identidade dos menores, ressalta Castro, os abusados acabam sendo reconhecidos em suas comunidades.

 

“Muitas vezes, vemos vídeos de depoimentos de casos efetivos de abuso e exploração que são transmitidos em rede nacional. Alguns são vídeos da própria CPI da Pedofilia”, diz.

 

O tratamento dispensado aos acusados de cometer tais crimes também é inadequado, na avaliação do conselheiro. Segundo ele, a exposição excessiva dessas pessoas viola seus direitos e pode prejudicar as investigações.

 

“Quando se expõe demais um caso, a própria investigação acaba sendo prejudicada. A própria CPI da Exploração de Crianças e Adolescentes, em 2003 e 2004 no Congresso, mostrou que a maioria dos casos não teve resultado nenhum.”

 

Para Ariel de Castro, a cobertura dos veículos de comunicação deve ter foco na melhoria do atendimento as vítimas dos abusos e no aprimoramento da estrutura do Judiciário para acompanhar os casos.

 

“Poucas comarcas têm varas realmente especializadas para crianças e adolescentes, com juízes e promotores dedicados exclusivamente a esse trabalho”, afirma.

Anúncio
clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Facebook

%d blogueiros gostam disto: