Festa do Pinhão

Licitação para Festa do Pinhão de 2020 acontece em novembro

Published

em

Empresa escolhida comandará o evento por uma edição, mas contrato poderá ser prorrogado por até quatro - Foto: Arquivo CL

Cinco dias de entrada franca e a obrigatoriedade de espaço mínimo para estabelecimentos locais de gastronomia estão entre as novidades do edital, que definirá a empresa responsável pela organização e exploração da Festa Nacional do Pinhão a partir de 2020.

O edital foi lançado pela Prefeitura de Lages nesta semana e, até meados do próximo mês, Lages conhecerá a empresa que será a responsável pela realização da festa. Os concorrentes do edital serão conhecidos no dia 11 de novembro, data que acontecerá a abertura dos envelopes com as propostas. No mesmo dia será divulgado o nome da vencedora, mas a homologação do contrato acontece cinco dias depois, caso não haja nenhum recurso das demais concorrentes.

O novo contrato terá vigência para uma festa, mas pode ser prorrogado por até quatro eventos, dependendo de acordo entre a prefeitura e a empresa. O superintendente da Fundação Cultural de Lages, Gilberto Ronconi, explica que as alterações no documento que rege o processo licitatório foram feitas a partir de reuniões envolvendo a sociedade civil organizada e a comunidade local.

“Fizemos inúmeras reuniões e levantamos sugestões para que a festa ficasse no modelo mais transparente possível e que desse mais possibilidades de participação do lageano. Precisamos beneficiar a população lageana, sem comprometer a qualidade da festa”, comenta.

Giba destaca, que alterar a obrigatoriedade de dois para cinco dias com entrada franca é uma forma de fomentar a participação dos moradores do município no evento. A inclusão da obrigatoriedade de espaço mínimo para estabelecimentos locais de gastronomia, também é apontada pelo superintendente como uma forma de valorizar o setor.

O edital também determina que os valores máximos para comercialização de alimentos dentro do parque, nos dez dias da festa, precisarão ser previamente estipulados. “A empresa terá que fazer uma reunião antes [do início da festa] com os donos de boxes para estabelecer um parâmetro de valores e estipular o preço máximo praticado”, explica Giba.

Prefeitura também terá responsabilidades

No edital estão listadas as obrigações da empresa a ser contratada e também as da prefeitura, para deixar claro o que será responsabilidade de cada parte. Visando dar visibilidade aos artistas de Lages, uma obrigatoriedade que foi mantida é a de contratar no mínimo 20 shows locais para os palcos Nacional e Nativista. “Tem ainda o palco cultural, que é atribuição da Fundação Cultural. Nele podemos contratar outros artistas locais para aumentar ainda mais a visibilidade”.

Segundo Giba, o novo edital prevê que a prefeitura continuará com as mesmas atribuições das edições anteriores: é responsável pela locação do Parque de Exposições Conta Dinheiro; por manter os serviços de saúde; e por organizar a Sapecada e o Recanto do Pinhão (evento paralelo que acontece no Centro da cidade).

O termo de referência do edital determina que a empresa a ser contratada terá que garantir no mínimo três apresentações regionais para o Palco Nativista, em cada dia de entrada franca. Além disso, terá que manter no mínimo dois shows nacionais, três atrações nativistas e DJ para o backstage em cada dia com cobrança de ingresso.

clique para comentar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *