Notícias

Doações podem ser feitas para a Páscoa das família atendidas pelo Amigo do Carroceiro

Published

em

Foto: Divulgação

Você pode ser a pessoa que irá colaborar com uma celebração de Páscoa diferente. Não é porque a data já passou que não pode ser comemorada, ainda mais se o sentido dela é de confraternizar e incentivar à prática da partilha.

Na próxima sexta-feira, dia 26, o Projeto Amigo do Carroceiro receberá 70 famílias integrantes do programa e, pretende doar cestas de Páscoa às 40 crianças. Por isso, a importância da colaboração da comunidade na arrecadação de itens para presentear os pequenos.

O professor coordenador do projeto, Joandes Fonteque, explica que a Páscoa Solidária está no cronograma de ações desenvolvidas ao longo do ano. Normalmente todos participam, um número de 350 pessoas.

A festa acontecerá das 14 às 18 horas de sexta-feira no ginásio do CAV/Udesc, em Lages. Joandes enfatiza que todas as doações são bem-vindas, especialmente brinquedos e doces para as crianças. Afinal, para muitas, é uma das poucas oportunidades de saborear guloseimas.

Mesmo assim, estão sendo recebidas doações de roupas, calçados e alimentos. “As doações podem ser entregues na secretaria do Hospital Veterinário ou no prédio da Medicina Veterinária. Caso seja alimento perecível, a doação deve ser no hospital”. O projeto Amigo do Carroceiro é um dos únicos desenvolvidos sem interrupção há 18 anos.

Projeto já tem 18 anos

O doutor em clínica veterinária e professor de clínica médica de grandes animais, Joandes Fonteque, é coordenador do projeto Amigo do Carroceiro, e explica que, atualmente, 40 famílias participam ativamente das ações realizadas semanalmente. São realizados cuidados com os animais, doação de ração e feno, além de serem oferecidos atendimento médico aos proprietários.

O Amigo do Carroceiro sobrevive com recursos da universidade, prefeitura e doações. Com esse dinheiro, são adquiridos medicamentos, ração e outros itens usados para tratar os animais de forma gratuita, já que muitas famílias são de baixa renda e não têm como cuidar propriamente dos cavalos.

clique para comentar

Deixe uma resposta