Conecte-se a nós

Notícias

DEM faz encontro estadual hoje

Published

em

Lages, 19 e 20/06/2010, Correio Lageano

 

Quando foi eleito senador, em 2006, o então candidato Raimundo Colombo obteve 80% dos votos válidos dos eleitores da Serra Catarinense. Para agradecer esse apoio o Democratas realiza hoje em Lages um encontro suprapartidário, onde quer mostrar coesão e força para as eleições ao governo do Estado em outubro.

 


O evento inicia às 10 horas no Centro Serra Convention Center e deve reunir partidários e simpatizantes de todo o Estado. “Virão delegações de várias regiões, mas principalmente da Serra Catarinense. O objetivo do senador é agradecer e pedir o apoio dessas pessoas que confiaram nele em outras eleições,” afirma o deputado Antonio Ceron, que coordena a campanha de Colombo.

 


Além dos Democratas o evento deve reunir integrantes do PTB e do PPS, partidos que apoiam a pré-candidatura de Colombo ao governo do Estado. O PMDB, mesmo demonstrando abertamente seu apoio, não se fará presente, já que algumas correntes do partido ainda discutem essa posição ideológica.

 


“Vamos reeditar o grande encontro que fizemos no dia 5 de maio em Florianópolis. Vamos receber mais de 30 ônibus, fora as pessoas que se deslocam de automóvel. Será uma grande festa,” prevê Antonio Ceron adiantando que o evento não deve se alongar muito. A previsão de encerramento é por volta das 13 horas.

 


Em relação às coligações, Ceron adianta que o PPS terá uma reunião na manhã de hoje em Curitibanos, mas que o apoio está praticamente fechado. O mesmo ocorre com o PTB. Ele confia também que o PSDB se unirá aos demais partidos, reeditando a polialiança que elegeu Luiz Henrique nas duas últimas eleições.

 


O acordo prevê que o Democratas ceda o cargo de vice-governador ao PMDB e apóie um candidato ao senado. A vaga de vice pode ou não ser de Eduardo Pinho Moreira. “A vaga é do PMDB e eles decidirão quem vai ocupá-la,” confirma Ceron. Já a vaga ao senado deve ser disputada pelo ex-governador, Luiz Henrique da Silveira.

 

 

Em relação ao PSDB, Ceron comenta que o compromisso é apoiar um candidato ao Senado Federal e fortalecer o palanque para o pré-candidato a presidente José Serra. “Temos certeza que esse entendimento será positivo para todos os partidos e que teremos uma boa base para dar sustentação ao nosso candidato a presidente”, conclui Ceron, dizendo que dois encontros foram realizados com o diretório do PSDB. O quadro político evoluiu para um entendimento comum, o que visa à sustentabilidade da candidatura nacional do PSDB.

 

Quem apoia quem:

 

José Serra (PSDB) já tem o apoio do DEM, PPS e PTB

Dilma Rousseff (PT) já tem o apoio do PMDB, PSB, PcdoB e PDT

 

 

No Estado:

Colombo (DEM) já tem o apoio do PMDB, PPS e PTB

Angela Amin (PP) em negociação com partidos

Leonel Pavan (PSDB) em negociação com partidos

 

 

As indefinições nas eleições em Santa Catarina, são reflexo do que ocorre a nível nacional, onde muitos partidos ainda barganham o apoio para um ou outro candidato. Na tabela ao lado não consta o nome da pré-candidata do PV, Marina Silva, que ainda não fechou oficialmente com nenhum partido.

 

Eleição marcada por indefinições

 

Poucas vezes no cenário político estadual, o eleitor catarinense se deparou com tantas incertezas em relação às composições dos partidos e até ao número de candidatos. A situação é tão conturbada, para não dizer confusa, que faltando apenas 11 dias para homologar as candidaturas por meio das convenções partidárias, as negociações ocorrem num ritmo igual ou mais intenso que o percebido ao longo de 2009.

 


Algumas situações já foram definidas, a exemplo do apoio a pré-candidatura de Ideli Salvatti do PT, que já tem o apoio de PR, PRB, PC do B e PSB. Já o pré-candidato Raimundo Colombo tem o apoio confirmado do PMDB, PPS, PTB e conta como certo com a solidariedade do PSDB, que até agora assinalou o apoio, mas não oficializou a posição. Ou seja, até ontem Leonel Pavan ainda era pré-candidato ao governo de Santa Catarina.

 


Outra pré-candidata ao governo e a deputada federal do PP, Angela Amin, nenhum partido oficializou o apoio a sua candidatura, mas a coordenação aponta que as negociações estão bem adiantadas com o PDT e o PV. Caso se confirme esse acordo, o PDT indicará o vice de Angela.

 


Ao longo dos últimos meses o cenário político mudou várias vezes, abrindo espaço para especulações. Eduardo Pinho Moreira, pré-candidato do PMDB, abriu mão da candidatura para apoiar Colombo. Essa atitude causou uma represália do diretório nacional do PMDB, que ameaçou intervir no diretório estadual. Essa atitude dos líderes nacionais é considerada radical ao extremo por vários peemedebistas, já que em todo o Brasil o PMDB firmou vários tipos de coligações.

 


A “mágoa” do diretório nacional é porque Michel Temer é pré-candidato a vice na chapa de Dilma Rousseff do PT. Assim os cenários serão diferentes nas duas esferas, um com o PMDB fazendo palanque para Dilma e em Santa Catarina com o PMDB formando a base para José Serra.

 


Na expectativa de formar uma aliança mais forte, o PP catarinense ainda não declarou apoio a Serra ou a Dilma.

 


Toda essa indecisão gerou várias especulações ao longo dos últimos meses. O nome de Angela Amin foi cotado para compor com Raimundo Colombo e também com Ideli Salvatti. Na primeira possibilidade ela seria a vice de Colombo. Na segunda Angela seria a cabeça de chapa e Ideli a vice. Assim o PP daria o seu apoio a Dilma Rousseff.

 


Outras especulações foram feitas e não comprovadas. O fato é que falta pouco para as eleições de outubro e o eleitor catarinense não sabe ao certo nem mesmo entre quantos candidatos vai escolher o novo governador de Santa Catarina.

 

Em Santa Catarina Colombo é o político que mais recebeu votos em uma única eleição 1,7 milhão


Angela Amin foi a deputada federal mais votada de Santa Catarina em 1990
129 mil

 

Em 2002
Ideli Salvatti tornou-se a primeira mulher de Santa Catarina a ser eleita senadora da
República

 

Em 1994
Leonel Pavan foi o deputado federal catarinense melhor votado da Frente Popular

 

Conheça o perfil dos políticos que querem governar o Estado

 

Não é comum o eleitor brasileiro acompanhar a vida política dos candidatos. Para dar uma “força” e facilitar a escolha, o Correio Lageano pesquisou uma única fonte (Wikipedia) e publica abaixo um resumo do que cada um foi e fez. Agora é ler com atenção e votar certo em outubro.

 

Leonel Pavan (PSDB)

 

Leonel Arcangelo Pavan nasceu em Sarandi (RS), em 7 de setembro de 1954.

 


Filho de Rodesindo Pavan e de Rosina Pavan, ambos já falecidos, foi ainda criança residir em Santa Catarina, na cidade de Ponte Serrada, oeste catarinense. É casado com Maria Bernardete Pavan e pai de dois filhos.

 


Foi líder estudantil em Balneário Camboriú, onde foi vereador (1983 – 1988) e prefeito por três vezes (1989 – 1992, 1997 – 2000 e 2001 – 2002).

 


Em 2002 renunciou à prefeitura para disputar a eleição ao Senado Federal, sendo eleito com quase um milhão de votos. Eleito deputado federal mais votado da frente popular em 1994, exerceu o mandato de 1995 a 1996.

 


No segundo turno das eleições de 2006 foi eleito vice-governador, na chapa encabeçada pelo ex-governador Luiz Henrique da Silveira (PMDB).

 


Em janeiro de 2007 renunciou à sua vaga no Senado Federal.

 


Em 2009 retomou os estudos, sendo acadêmico em administração pública da Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). Em 25 de março de 2010, com a renúncia do titular Luiz Henrique da Silveira para disputar uma vaga no senado federal,Leonel Pavan na qualidade de vice-governador assumiu o governo do estado de Santa Catarina, cujo mandato se encerra em 31 de dezembro de 2010.
 

 

Raimundo Colombo (DEM)

 

João Raimundo Colombo nasceu em 28 de fevereiro de 1955 em Lages. É pai de Joana e de Edson e avô da Luiza.

 


Foi supervisor do Governo de Santa Catarina no Planalto Serrano (1981-1983), secretário de Estado do Desenvolvimento Social (1983/1985), Diretor Administrativo da Telesc (1985/1986), Deputado Estadual por Santa Catarina (01/02/1987 – 31/12/1988), prefeito de Lages (1989/1992), presidente da Celesc (1993/1994), presidente da Casan (1995), deputado federal por Santa Catarina (1999/2000), prefeito de Lages (2001/2004) e reeleito prefeito de Lages (2005/2008) para seu 3° mandato com 70,34% dos votos válidos, cargo que exerceu até março de 2006, quando renunciou para ser candidato ao Senado.

 


Colombo também respondeu como presidente da Amures – Associação dos Municípios da Região Serrana, em duas oportunidades (1989/1991 e 2001 a 2003). E desde 2003, por dois mandatos consecutivos, é Presidente Estadual do Democratas de SC. Foi eleito senador da República por Santa Catarina (2007/2015). Com mais de 1 milhão e 730 mil votos, é o político mais bem votado da história de Santa Catarina.

 


No Senado é Líder da Minoria, vice-líder da bancada dos Democratas. Com o seu trabalho já recebeu vários títulos.

 

Angela Amin

 

Angela Regina Heinzen Amin Helou nasceu em 20 de dezembro de 1953 em Indaial.

 


Casada com o ex-governador de Santa Catarina, Esperidião Amin, formou-se em matemática pela Universidade Federal de Santa Catarina, em 1976.

 


Foi eleita vereadora em Florianópolis, em 1988, com a maior votação até hoje registrada (7.771 votos).

 


Foi deputada à Câmara dos Deputados na 49ª legislatura (1991 — 1995), eleita deputada federal com a maior votação em 1990 (129.011 votos). Atuou em Brasília como vice-líder do PDS, relatora da Lei de Diretrizes e Base da Educação e participou da CPI da Violência contra a Mulher.

 


Candidata ao governo do estado em 1994, obteve mais de 1 milhão e 200 mil votos de eleitores catarinenses, mas foi derrotada, no segundo turno das eleições, por pequena margem de votos, por Paulo Afonso Evangelista Vieira.

 


Foi prefeita de Florianópolis em dois mandatos sucessivos (1997 — 2004), sendo a primeira mulher a ocupar tal cargo. Durante sua gestão na Prefeitura de Florianópolis – período 1997/2004, a administração Angela Amin foi destacada, por cinco vezes, através de pesquisa do Instituto Datafolha, como a melhor administração municipal no ranking nacional de prefeitos de Capitais. Na área social, recebeu vários prêmios.

 

Ideli Salvatti (PT)

 

Ideli Salvatti Garcia nasceu em 18 de março de 1952 em São Paulo.

 


Licenciada em física pela Universidade Federal do Paraná, radicou-se em Santa Catarina em 1976. Do seu casamento com Eurides Mescolotto teve seus dois filhos: Felipe Salvatti Mescolotto e Mariana Salvatti Mescolotto. Casou-se novamente em 2009 com Jeferson Figueiredo.

 


No final da década de 1970, transferiu-se para Joinville onde atuou nas CEBs, Pastoral Operária, Associações de Moradores e no Centro de Defesa dos Direitos Humanos, entidade da qual foi fundadora e presidente. Em 1980, foi fundadora do PT em Joinville e no Estado. Foi professora do quadro do Magistério Estadual/SC de 1983 até 1994. Foi presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Educação – SINTE/SC por dois mandatos, em 1989 e em 1992, quando já vivia em Florianópolis.

 

Foi uma das fundadoras da Central Única dos Trabalhadores (CUT/SC), sendo tesoureira na gestão 1988-1991.

 


Em 1994, foi eleita como deputada estadual (1995-1998) e reeleita em 1998 (1999-2002). Em 2002, torna-se a primeira mulher a ser eleita senadora do estado de Santa Catarina. Em 2005 teve seu primeiro projeto transformado em Lei. Trata-se da chamada Lei do Parto, que garante às gestantes o direito a escolher um acompanhante para a hora do parto.


Fotos: Deise Ribeiro (Colombo e Ideli)

Divulgação (Pavan e Angela)

Anúncio
clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Facebook

%d blogueiros gostam disto: