Conecte-se a nós

Negócios

Vendas para o Dia das Mães foram boas para alguns e ruins para outros

Published

on

Lojistas esperavam um aumento pequeno, mas em muitos, as vendas foram menores que 2017 - Foto: Susana Küster

As vendas de presentes para o Dia das Mães, não saíram como o esperado para alguns comerciantes de Lages. Além de não aumentarem, as vendas diminuíram em algumas lojas. É o caso da loja Favorita, que fica na Rua Coronel Córdova e vende calçados.

A gerente Miriam Correa relata que o movimento foi grande, comparado aos outros dias da semana, porém as vendas foram 20% menores que o ano passado. Quem comprou na loja gastou de R$ 100 a R$ 150.

O empresário da loja de roupas, Blitz, Luciano Ramos, também diz que às vendas foram menores do que ano passado. Para ele, a falta do frio e a crise econômica foram os fatores que fizeram baixar 30% a venda de presentes. Para melhorar a situação, ele está fazendo uma promoção de casacos. Nesta época, no ano passado, ele já tinha comprado a segunda remessa de roupas de inverno.

Das lojas que o CL foi, a Casa das Meias foi a única que não baixou as vendas de presentes do Dia das Mães. O empresário Bruno Koech Vanderlinde diz que o movimento foi igual ao do ano passado, mas esperava um aumento de pelo menos 5%. O movimento só foi maior no sábado.

Shopping

A situação no Lages Garden Shopping foi bem diferente do que as lojas do comércio de rua. Uma prévia da assessoria de marketing revela que as vendas cresceram 15%, o fluxo de pessoas aumentou 16% e de veículos 17%.

Balanço

O diretor executivo da CDL de Lages, Jhonathan Silva, diz que se esperava um incremento de 2,5% nas vendas do Comércio. Porém, isso não aconteceu. Alguns tiveram um reflexo negativo comparado ao ano passado e outros nem tanto, o que fechou em um percentual de queda de 1,3%.

Para ele, a falta do frio fez com que as vendas fossem menores que em 2017. “Somente a venda a prazo aumentou um pouco, mas só no crediário e não temos o percentual por enquanto”.

SPC divulga alta nas vendas à prazo

De acordo com o Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), o volume de vendas parceladas, na semana anterior ao último domingo (entre 6 e 12 de maio) cresceu 2,86%, em relação ao mesmo período do ano passado.

A alta de 2018 acontece após um período de sucessivas quedas entre 2014 e 2017, chegando a 5,50% no último ano. Nos anos anteriores, as variações foram de -16,40% (2016), -0,59% (2015), -3,55% (2014), +6,44% (2013), +4,40% (2012), +6,53% (2011) e de +9,43% (2010). É a primeira alta após quatro anos de retração no volume de vendas.

Comentários
Compartilhe

Negócios

Quase 20% dos brasileiros ainda guarda moedas em casa, diz Banco Central

Published

on

Espaço para moedas quase vazio é rotina no comércio - Foto: Bega Godóy

Parte da população brasileira ainda tem o hábito de guardar moedas em casa. Isso é o que mostra um estudo divulgado na quinta-feira (19), pelo Banco Central (BC).  A pesquisa diz que 19,3% da população guarda moedas por mais de seis meses. Além disso, 56,2% usam o dinheiro guardado no cofrinho para compras e pagamentos, mostra o BC, no estudo “O brasileiro e sua relação com o dinheiro”.

De acordo com o gerente de uma loja no Centro de Lages, Jorge Cardoso, o desaparecimento de moedas ocorre em determinados períodos. Com base em sua experiência, ele observa que as pessoas recorrem a moedas depois do dia 20 e essa circulação se mantém até o fim do mês. “Depois que acaba o pagamento, as moedas saem da gaveta”, explica.

Quem sofre com a retenção de moedas são os caixas dos comércios que precisam bancar a quebra de caixa no final do mês quando falta troco. “Não temos um valor específico para ‘perdoar’ por isso entregamos troco a mais. O cliente tem que sair satisfeito”, acrescenta. Ainda segundo ele, quando percebe-se que as pessoas têm moedas nas bolsas quando efetuam pagamento são “convencidas” a fazer as trocas. No entanto, nem todos concordam.  

A falta de moedas é um dos problemas que os comerciantes têm que contornar diariamente. São muitos os estabelecimentos que colocam cartazes. “Precisamos de moedas”. E cada um se vira como pode.

O supermercado Angeloni disponibilizou em Lages por algum tempo a CataMoeda, uma máquina na qual os consumidores depositavam suas moedas e recebiam um vale-compras com o valor correspondente e mais 2% para usar na loja.

Recursos públicos

De acordo com o chefe do Departamento do Meio Circulante do BC, Felipe Frenkel, 8 bilhões de moedas estão guardadas “em algum lugar”. Ele destacou que quanto mais moedas ficarem em circulação, menor será o gasto de recursos públicos com a produção do dinheiro.

O chefe-adjunto do Departamento do Meio Circulante do BC, Fábio Bollmann, disse que o BC considera positivo que a população faça poupança com as moedas. Entretanto, ele orienta a trocar as moedas por cédulas sempre que atingir um valor maior, no comércio ou no banco, para ajudar na circulação de dinheiro.

Frenkel acrescentou que a pesquisa é importante para saber qual é a demanda atual por dinheiro no país. “O Banco Central faz a pesquisa para atender a demanda da população. Ainda é muito necessário o dinheiro no dia a dia”, acrescentou.

Para compras de até R$ 10,87, 9% dos entrevistados preferem utilizar dinheiro. Esse índice diminui com pagamentos de maior valor. Para desembolsos de mais de R$ 500, a maior parte (42,6%) prefere cartão de crédito. No comércio, 75,8% dos estabelecimentos aceitam pagamentos no débito e 74,1% no crédito. Apenas 16,3% aceitam cheques.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Negócios

Micro e pequenas empresas poderão ingressar no eSocial em novembro

Published

on

Por

Foto: Agência Brasil/ Divulgação

Micro e pequenas empresas poderão ingressar no eSocial, a partir de novembro. Nesta quarta-feira (11), foi publicada no Diário Oficial da União a Resolução nº 4 do Comitê Diretivo do eSocial permitindo que micro e pequenas empresas – que são aquelas com faturamento anual de até R$ 4,8 milhões – e Microempreendedores Individuais (MEI) possam ingressar no programa que unifica as informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas dos empreendedores em um banco de dados administrado pelo governo federal.

A Receita Federal lembra que somente os MEI que têm empregados precisarão prestar informações ao eSocial. Atualmente, são aproximadamente 155 empregadores.

A obrigação de ingressar no eSocial para micro e pequenos empreendedores e para os MEI será somente em novembro, mas a norma publicada nesta quarta oferece a opção de ingresso já na próxima segunda-feira (16), juntamente com empresas privadas do país que têm faturamento anual inferior a R$ 78 milhões. No caso dessas empresas, o ingresso no eSocial é obrigatório a partir de segunda-feira.

Desde janeiro deste ano, o eSocial já está em operação para as grandes empresas – que possuem faturamento anual superior a R$ 78 milhões – e que formam, no âmbito do eSocial, as chamadas empresas do primeiro grupo. Atualmente, 97% delas já integram as bases do eSocial.

Quando totalmente implementado, o eSocial reunirá informações de mais de 44 milhões de trabalhadores do setor público e privado do país em um mesmo sistema e representará a substituição de até 15 prestações de informações ao governo – como GFIP, RAIS, Caged E DIRF – por apenas uma.

Fases de implantação

Assim como está acontecendo com as grandes empresas e como ocorrerá com os entes públicos, a implementação do eSocial para as empresas do segundo grupo – excluídas neste momento a obrigatoriedade de pequenas empresas e de MEI – se dará de forma escalonada, dividida em cinco fases, distribuídas de julho a janeiro de 2019. Dessa forma, os empregadores incluirão gradativamente suas informações no sistema.

A partir do dia 16 de julho até o dia 31 de agosto deste ano, os empregadores deverão enviar ao eSocial apenas informações de cadastro e tabelas das empresas. Em relação aos MEI que possuam empregados e que optem por já ingressar no eSocial, o Comitê Gestor do eSocial esclarece que, na prática, eles não terão nenhuma informação para prestar antes de setembro, já que os dados da 1ª fase (cadastro do empregador e tabelas) são de preenchimento automática pela plataforma simplificada que será disponibilizada para este público.

Apenas a partir de setembro, os empregadores do segundo grupo precisarão incluir na plataforma informações relativas a seus trabalhadores e seus vínculos com as empresas, como admissões, afastamentos e demissões, por exemplo. Finalmente, de novembro até o final de 2018, deverão ser incluídos dados referentes às remunerações dos trabalhadores e realizado o fechamento das folhas de pagamento no ambiente nacional.

Em relação às micro e pequenas empresas e aos MEI, como esses estarão obrigadas ao eSocial somente a partir de novembro – quando ingressarem no sistema eles deverão prestar as informações referentes às três fases iniciais do cronograma.

Em janeiro do ano que vem haverá, para o segundo grupo como um todo, a substituição da Guia de Informações à Previdência Social (GFIP) pelo eSocial e a inserção de dados de segurança e saúde do trabalhador no sistema.

Os empregadores pessoas físicas, contribuintes individuais – como produtor rural e os segurados especiais – somente deverão utilizar o eSocial a partir de janeiro de 2019.

Plataforma simplificada

Nos próximos dias, serão ser disponibilizados os novos portais do eSocial, onde os empregadores poderão inserir diretamente as informações, sem necessidade de sistemas para integração.

Também será disponibilizada, a partir do próximo dia 16, a plataforma simplificada destinada aos MEI. Nesse ambiente simplificado – semelhante ao eSocial do Empregador Doméstico – não será necessário o uso de certificado digital, podendo o empregador acessá-lo apenas por código de acesso. A plataforma simplificada permitirá ao microempreendedor realizar cálculos automáticos via sistema, como o que realiza o cálculo de rescisões e a ferramenta de férias, por exemplo.

Segundo a Receita, a maioria dos MEI – que não possuem empregados e por esta razão não estarão obrigados ao eSocial – continuarão prestando contas normalmente ao governo por meio do Simei, o sistema de pagamento de tributos unificados em valores fixos mensais voltados para aos microempreendedores individuais e que lhes garante a isenção de impostos federais como o Imposto sobre Produtos Industrializados, por exemplo. Para este público, nada muda.

Por Agência Brasil

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Negócios

Reunião busca investimentos para fortalecer economia regional

Published

on

Reunião aconteceu no Órion Parque Tecnológico - Foto: Susana Küster

Contribuir para viabilizar investimentos em diversos setores, e aumentar a competitividade da indústria catarinense. Esse foi um dos objetivos da Câmara de Tecnologia e Inovação que aconteceu no Órion Parque Tecnológico, em Lages, nesta segunda-feira (9). A reunião é itinerante e deve seguir para Blumenau e Jaraguá do Sul.

O evento reuniu representantes dos setores madeireiro, tecnológico e de inovação da região, além de empresários de outros segmentos. O presidente da Câmara de Tecnologia e Inovação, Alexandre d’Ávila da Cunha, explica que o objetivo principal das reuniões é levantar quais são os gargalos produtivos e ser a ponte entre os recursos e os empresários.

Ele conta que foram elencados através de uma pesquisa mundial, 17 setores que possuem potencial de crescimento. Alguns desses são os setores: florestal, de tecnologia da informação e comunicação, metal-mecânico, criativo que envolve filmes e comunicação, turismo, entre outros.

“Aqui na região, o desafio é unir a base tecnológica com a economia tradicional, que seria o ramo madeireiro. Muitos compram uma start-up para seu negócio se tornar competitivo, beneficiando dois setores e fomentando as universidades”, avalia.

Ele lamenta que as ideias sejam publicadas em congressos mundiais e não tenham investimento que gera produção e riqueza. “Nós entregamos nossas ideias de graça. Eu senti na pele, fiz mestrado, na época publiquei e um espanhol transformou em um negócio”, lembra.

Florestas da região foram mapeadas

Um dos palestrantes do evento foi o professor da Udesc, engenheiro cartógrafo e doutor em Ciências Geodésicas, Marcos Benedito Schimalski. Em parceria com o Sindimadeira, ele fez um mapeamento da área plantada na região da Amures (18 municípios da Serra Catarinense).

Foi mapeada a floresta com pinus, com eucalipto e com corte raso (área de pinus que foi cortada). Isso aconteceu de agosto de 2016 a junho de 2017 e a próxima parte é quantificar o estoque de madeira. “A ideia é favorecer a cadeia produtiva, ajudar a região com políticas públicas, já que se sabe onde estão as áreas com produção de madeira”.

O objetivo, segundo o Sindimadeira, é disponibilizar as informações do mapeamento através de uma revista, que é publicada a cada quatro anos.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade/responsabilidade do Correio Lageano. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo disponibilizado neste site, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia por escrito do CL ou do titular dos direitos autorais.