Conecte-se a nós

Notícias

Vandalismo é grande em Lages, até tiros são disparados contra luminárias

Published

on

Luminárias e lâmpada que levaram tiros farão parte de uma exposição - Fotos: Susana Küster

Iluminação, parquinhos infantis, cemitérios, lixeiras, banheiros, árvores e mudas de flores. Esses e outros bens públicos são depredados por vândalos com frequência.

Eles também utilizam a pichação para estragar locais, que até então, estavam conservados. Até tiros, as luminárias que ficam nos postes bem altos levam. Algumas, o secretário do Meio Ambiente e Serviços Públicos de Lages, Euclides Mecabô, guarda na secretaria.

A ideia dele, com isso, é fazer até março uma exposição no calçadão para escancarar alguns dos objetos estragados por vândalos. Também terão fotografias que vão mostrar árvores danificadas e outras coisas que não tem como levar em uma exposição pelo tamanho ou por outro motivo.

Este slideshow necessita de JavaScript.

O objetivo é conscientizar, mostrando para a população que é preciso denunciar essas atitudes, o que pode ser feito pelo número 190 da PM ou pela Secretaria do Meio Ambiente, no 49-3225-6990. “Para recompor tudo o que foi estragado, precisamos gastar dinheiro do povo.”

Aproximadamente, 15% dos estragos na iluminação pública é devido ao vandalismo, segundo Mecabô. Já nos parquinhos que a equipe da secretaria vai, cerca de 20% dos equipamentos quebrados é por mau uso ou por vandalismo.

Sobre os bancos das praças, no mínimo 10% são estragados por ação humana e não do tempo. “20% das mudas de flores são arrancadas dos canteiros e chegam a 30% as árvores arrancadas.”

No ano passado, ele lembra que, mais ou menos 300 lixeiras foram quebradas, sendo que algumas não tiveram conserto. “O banheiro público é bem difícil manter 100%, arrumamos as torneiras, quebraram portas e por aí vai.”

Os números podem parecer pequenos, entretanto, é necessário lembrar que para consertar o que é vandalizado, é preciso gastar dinheiro público.

Custos

Para se ter uma ideia, uma luminária custa, em média, de R$ 50 a R$ 170. “Enviamos pessoal e gastamos com gasolina e material. Além disso, perde-se tempo, afinal, poderiam estar melhorando a cidade e não recuperando. Fora que tem casos, que a população fica sem luz”.

 

Comentários
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 . Centro . 88502-000 . Lages . SC . Brasil . Fone: 49 3221.3300 . correiolageano@correiolageano.com.br

CL+| Correio Lageano - Todos os direitos reservados ©