Conecte-se a nós

Esportes

Tandara Alves Caixeta

Published

em

Foto: Vinicius Prado

A bicampeã olímpica Tandara Alves Caixeta, de 29 anos, não iniciou no voleibol por acaso, mas a modalidade foi uma das últimas escolhas em suas atividades esportivas. Uma escolha certeira que logo completa 20 anos de carreira. Começou aos 10 e não parou mais. Já disputou 15 Superligas Femininas de Vôlei, ganhou duas Olimpíadas e, nesta semana, esteve em Lages, disputando as finais da Copa Brasil Feminina de Vôlei. O fruto de sua dedicação alavancou e, hoje, é um dos maiores destaques da Seleção Brasileira e melhores atacantes do vôlei. Maior em desempenho e em altura, com seus 1,86 metro.

Correio Lageano: O que te levou a jogar voleibol?

Tandara Alves Caxeta: Eu já tinha passado por todos os esportes. Tinha feito natação, fiz, por incrível que pareça, balé, já tinha feito handebol. Mas sempre muito preguiçosa, esse negócio de correr, ir para um lado e outro. E eu sempre fui forte e tinha medo de machucar as pessoas que entravam em contato comigo, porque eu não sou nenhum pouco delicada em relação a contato corporal. Quando eu iniciei, era um esporte com menos contato e que eu me identifiquei mais. Além disso, eu tive uma facilidade de aprender.

Como você avalia sua carreira que começou tão cedo?

Comecei aos 10 anos, jogava na equipe de base em Brasília. Saí de casa aos 14 anos para ir a Uberlândia, meu primeiro clube fora de Brasília, para iniciar minha carreira. Retornei a Brasília aos 15 anos, onde joguei minha primeira Superliga pela Brasil Telecom. Joguei três temporadas. Em seguida, fui para Osasco, depois Pinheiro, Brusque, voltei para Araçatuba, fui para Osasco novamente, fui para o Sesi, Campinas, e voltei para o Osasco. Pra mim, é importante tudo isso. Tenho 29 anos e 15 superligas nas costas. Acredito que das 15, 11 são jogando e eu sempre busquei um time em que eu iria jogar. Isso me fez crescer e amadurecer muito rápido, também. Em 2011, foi a minha primeira ida para a Seleção Brasileira. Estava na Seleção de novos, mas me destaquei e fui para a equipe adulta. Já no primeiro ano, fui campeã em Guadalajara. No ano seguinte, me consagrei campeã olímpica. Então, é uma luta muito grande, diária, pois são de seis a oito horas diárias de treino, sem folga, sem feriado. Enfim, a gente abdica de muita coisa, mas ao mesmo tempo, é o nosso trabalho.

E é um trabalho que passa rápido.

Exatamente. Passa muito rápido. E é o que a gente ama fazer, é o meu trabalho. Enfim, agradecer o carinho que as pessoas têm por mim. Então, é o reconhecimento do trabalho que a gente faz.

Você está a quanto tempo no Osasco?

Eu joguei 2007 e 2008. Voltei em 2011 e 2012. Retornei em 2016, 2017 e 2018.
Quando você foi convocada, e se destacou, qual foi a sensação? Por que a Seleção é a maior realização do jogador profissional.
Sim, com certeza. É o que todo atleta almeja, defender o seu país. Eu jogo na seleção há sete anos e, somente ano passado, comecei a jogar e ser muito mais acionada. Mas os outros seis anos, pra mim, foram de crescimento, porque tinha a Sheilla do meu lado, tinha a Fabiana, a Jaqueline, que me ajudaram muito. Porque são jogadoras bicampeãs olímpicas e que têm uma experiência muito maior que a minha. Então, o crescimento é muito maior. Ano passado foi um ano em que eu joguei muito bem. Foi o que eu busquei, era o que eu esperava. Em campeonatos, em que o time era desacreditado, a gente conseguiu chegar. Isso mostra a qualidade do Brasil, das jogadoras. Enfim, eu tenho um balanço muito bom da minha vida. Tem três temporadas que eu venho me mantendo ali em cima, como maior pontuadora. Meu objetivo é sempre defender da melhor maneira. Buscar mais desafios, crescer. Buscar muito mais a regularidade. Todos esses prêmios e destaques que eu tenho que são a consequência do meu trabalho.

No Brasil, se torce muito para o futebol, mas o vôlei também é muito cobrado pela torcida. Como você lida com isso?

Querendo ou não, já estou “acostumada” com a cobrança. Todo mundo espera que a Tandara jogue a bola da decisão. Eu sempre tive, desde muito nova, essa cobrança. Primeiro minha, depois, da minha família, dos meus pais que também jogaram. O torcedor do voleibol é muito rigoroso, então, acredito que temos de lidar da melhor maneira, sem lidar pelo lado pessoal e que seja profissional, porque é alguém que está ali te admirando e quer que você cresça.

 

O empoderamento feminino tem sido uma grande pauta no esporte nos últimos anos. Como você vê essa questão da posição feminina no esporte?

Bom, é muito importante, porque a gente mostra a garra e determinação que a mulher tem. No ano passado, a gente teve uma campanha muito boa, fez um trabalho incrível com a Karol Conká. A gente mostrou que, independentemente das adversidades, toda mulher tem aquela força a mais. Isso é muito importante, nós enquanto mulheres estarmos nos destacando e tomando um espaço maior dentro do esporte, para que a gente mostre que pode chegar no nível masculino, também.

Anúncio
clique para comentar

Deixe uma resposta

Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Cinema

Facebook

Anúncio
%d blogueiros gostam disto: