Conecte-se a nós

Notícias

Rede Rural de Segurança realiza inspeções no interior de Lages

Published

on

O caseiro Casemiro Fraga recebe as orientações da PM, durante visita na propriedade - Foto: Patrícia Vieira

Manter a segurança na área rural também é uma das prioridades do 6º Batalhão de Polícia Militar de Lages. Por isso, a corporação está levando para o campo, o programa inédito em Santa Catarina, a Rede Rural de Segurança. O lançamento ocorreu em novembro, em Lages, quando a Patrulha Rural passou a se chamar Rede Rural de Segurança.

O projeto desenvolvido numa parceria entre a Polícia Militar e Polícia Militar Ambiental é baseado na Rede de Vizinhos, e tem como objetivo mobilizar os moradores da área rural para, em conjunto com a PM, viabilizar ações de prevenção e repressão ao crime, principalmente, o furto de gado, que é um dos maiores problemas enfrentados pelos moradores do interior.

“Nosso objetivo é potencializar a visibilidade da presença policial e impactar na sensação de segurança nas localidades do interior”, explica o tenente Eduardo Nunes, responsável pelo programa na Serra Catarinense.

A Rede Rural de Segurança iniciou a consultoria nas propriedades do interior de Lages. As 35 localidades foram divididas em oito áreas, nas quais a PM atua com visitas preventivas e analisa a vulnerabilidade das propriedades. Nos últimos 30 dias, foram realizadas cerca 25 visitas.

Ontem, a guarnição composta pelo tenente Eduardo Nunes, o sargento Canônica e o soldado Adriano Varela, esteve na Localidade Cajuru, na Coxilha Rica. Onde foram inspecionadas duas fazendas. A certificação será outorgada com base no cadastro.

Após preencher os requisitos do cadastro de propriedade rural, o produtor ou empresa rural receberá certificação e poderá fixar placa indicando que a mesma é segura e faz parte do monitoramento da Rede Rural de Segurança.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Campo Seguro

Com o intuito de levar mais segurança ao campo, além da Rede Rural de Segurança, o tenente Eduardo Nunes reforça que outras ações estão sendo desenvolvidas. A operação Campo Seguro ocorrerá quinzenalmente, com barreiras policiais e intensificação do policiamento durante o dia e a noite.

Na última quarta-feira, a Polícia Militar Ambiental e a Rondas Ostensivas, com Apoio de Motos (ROCAM) da Polícia Militar, estiveram nas localidades Pedras Brancas, Mirante, Tributo e Guará.

Insegurança em Painel

Recentemente, familiares de vítimas procuraram o Correio Legeano e descreverem as cenas de terror que a avó, de 86 anos, e o tio passaram diante de criminosos, na Localidade de Casa de Pedra, em Painel.

Na ocasião, a comunidade pedia por mais segurança na região. O tenente Eduardo Nunes explica que com a implantação do novo programa e de operações que são realizadas na região vai contribuir com a redução da criminalidade na região.

Furtos de gado

O delegado da Polícia Civil de Campo Belo do Sul, Rafhael Bellinati, comenta que desde a identificação de quatro suspeitos de roubo de gado, a prática desse tipo de crime reduziu na região. Ele conta, ainda, que parte do gado foi recuperado.

Na época, 48 cabeças de gado e uma égua foram levados de caminhão de uma fazenda na região da Coxilha Rica, em Capão Alto. “A quadrilha foi detida em ação conjunta das polícias de Campo Belo do Sul, Anita Garibaldi, e das comarcas gaúchas de Tapejara e Ciríaco ”, explica Bellinati.

Segundo o delegado, não se descarta a participação de outros envolvidos no delito, nem a prática de outros furtos pela mesma quadrilha. O caso ainda está sendo investigado.

Dicas de segurança em áreas rurais

Bens

  • Não guardar dinheiro em espécie na propriedade;
  • Se não residir no local, não deixar pequenos objetos de valor, como joias, computadores, etc;
  • Se trabalha com insumos, estoque só o necessário para uso a curto prazo;
  • Mantenha maquinário agrícola em galpões/barracões ou preso com correntes e cadeados.

Animais

  • Manter atualizado o número de cabeças de gado;
  • Realizar a marcação. Assim contribui com a identificação perante terceiros;
  • Carregador de gado sempre próximo da sede;
  • Tenha cães para auxiliar na segurança.

Sede e Estrutura

  • Iluminação das áreas no entorno auxilia na prevenção de delitos;
  • Locais devem ser fechados com portas, fechaduras, além de travas e cadeados;
  • Os galpões ou estruturas usados como depósito devem ficar visíveis à casa.

Dispositivo de segurança

  • Podem ser instaladas câmeras que repliquem imagens no celular (onde houver acesso à internet);
  • Dispositivos sonoros, como sensores de presença nos galpões ou onde abrigar produtos ou objetos de valor.

Segurança solidária

  • Na qual todos cuidam e se preocupam com a área de todos. Maior chance de identificar estranhos;
  • Contato telefônico dos vizinhos;
  • Se tiver sinal de internet, pode-se criar grupos incluindo residentes e proprietários;
  • Participe de conselho de segurança se tiver na região;
  • Reúna seus vizinhos e procure a Polícia Militar de seu município para solicitar informações de segurança.

Comentários
Compartilhe

Notícias

Governo divulga acordo, mas categoria não reconhece proposta e mantém a greve

Published

on

Por

Foto: Susana Küster

Atualizado final às 23h01 (24/05)

Depois de uma reunião de sete horas, governo e associações que representam caminhoneiros teriam chegado a um acordo. A greve, que já dura quatro dias, poderá ser suspensa por 15 dias. A notícia foi anunciada há pouco, em entrevista coletiva com Eliseu Padilha, Eduardo Guardia e Carlos Marun.

O ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, garantiu a redução de 10% no preço do diesel. O preço ficará fixo por 30 dias (os últimos 15 dias arcados pela União). A primeira quinzena custaria cerca de R$ 350 milhões a Petrobras como compensação. O ministro diz que o preço de referência é o da refinaria.

Contraponto

O movimento, por sua vez, ainda não vai suspender a greve. De acordo com um dos caminhoneiros, Auri Correia, não há concordância com o que foi acertado em Brasília. Eles dizem que a redução de 10% não vale a pena e pode tornar ainda mais caro o combustível. Se depender deles, a greve continua.

Auri ainda destaca que as alegações ditas nessa coletiva são falsas e que a pessoa que assinou esse acordo com o governo não faz parte do movimento dos caminhoneiros. Ele ainda esclarece que a manifestação vai continuar até aceitarem completamente as reivindicações da categoria, que é a redução total dos impostos.

Os pontos do acordo entre governo e caminhoneiros seriam os citados abaixo, mas que não são reconhecidos pela categoria

  • Preço do diesel será reduzido em 10% e ficará fixo por 30 dias. O valor ficará fixo em R$ 2,10 nas refinarias pelo período
  • Os custos da primeira quinzena com a redução, estimados em $ 350 milhões, serão arcados pela Petrobras. As despesas dos 15 dias restantes ficarão com a União como compensação para a petrolífera.
  • A cada 30 dias, o preço do combustível será ajustado conforme a política de preços da Petrobras e fixado por mais um mês.
  • Não haverá reoneração da folha de pagamento do setor de cargas
  • Tabela de frete será reeditada a cada três meses
  • Ações judiciais contrárias ao movimento serão extintas
  • Multas aplicadas aos caminhoneiros em decorrência da paralisação serão negociadas
  • Entidades e governo terão reuniões períodicas
  • Petrobras irá contratar caminhoneiros autônomos como terceirizados para prestação de serviços

 

*Título atualizado

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Fornecimento de gás natural em rede pode ser afetado pela paralisação em algumas cidades

Published

on

Por

Foto: Divulgação

Em virtude da paralisação promovida por motoristas de caminhão que corre em todo país, a SCGÁS tranquiliza seus consumidores e informa que o abastecimento com gás natural veicular (GNV) aos postos de combustíveis, em sua maioria, não será prejudicado pelas paralizações. Os segmentos industrial, comercial e residencial também não serão afetados.

A SCGÁS atende atualmente 132 postos em Santa Catarina, e apenas nove deles podem ter suas atividades de fornecimento de gás natural afetadas, por serem atendidos pelo modal de gás natural comprimido – nesta alternativa de mercado, o gás natural é retirado da rede e transportado por caminhões até os postos. Os demais clientes do segmento veicular da SCGÁS são abastecidos por meio de redes canalizadas, o que garante fornecimento contínuo e ininterrupto.

Os estabelecimentos possivelmente prejudicados foram alertados pela Companhia, e terão seu abastecimento restabelecido gradativamente ao término da greve. Abaixo, a lista de postos atendidos que podem ser afetados:

  •        Posto AO Petrolages – Lages;
  •        Posto BR 4R – Rio do Sul;
  •        Posto BR Oenning – Braço do Norte;
  •        Posto IP Furnas Sombrio – Sombrio;
  •        Posto BB Fratelli São João do Sul – São João do Sul;
  •        Posto BB Guarujá – Lages;
  •        Posto Neogás Hoffmann – Orleans;
  •        Posto Neogás Michells Beach – Imbituba;
  •        Posto BB MIME 14 – Pouso Redondo;

O GNV, que proporcionava elevados percentuais de economia em relação aos combustíveis líquidos, abriu vantagem ainda maior frente aos seus concorrentes nos últimos dias. Após as altas recentes, com base nos preços médios da ANP em Santa Catarina, o gás veicular passou a apresentar 56% de vantagem comparado à gasolina e 66% em relação ao etanol. Em termos práticos, abastecendo R$ 30 de cada combustível, o motorista anda 65 km utilizando etanol, 82 km com gasolina, e 189 km rodando com GNV.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Pontos da BR 116 com manifestação em Santa Catarina e Paraná

Published

on

Por

Foto: Susana Küster

BR 116 em Santa Catarina:

 

Mafra:

Km 7: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva, sem registro de lentidão. Há paralisação de caminhões e carretas em acostamentos por aproximadamente 3 km em cada sentido.

 

Papanduva:

Km 54: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Caminhões parados no trevo de acesso ao município.

 

Santa Cecília:

Km 138: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

Km 141: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

Km 143: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Ponte Alta do Norte:

Km 166: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Correia Pinto:

Km 217: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Lages:

Km 245: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

 

BR 116 no Paraná:

 

Curitiba:

Km 115: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente.

 

Fazenda Rio Grande:

Km 125: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente;

Km 127: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente.

 

Mandirituba:

Km 135: pista norte interditada e tráfego desviado para acostamento, tráfego da pista sul permanece sem obstrução. Não há registro de lentidão;

Km 152: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível e faixa de domínio, não há registro de lentidão.

 

Quitandinha:

Km 166: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

 

Campo do Tenente:

Km 191: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 . Centro . 88502-000 . Lages . SC . Brasil . Fone: 49 3221.3300 . correiolageano@correiolageano.com.br

CL+| Correio Lageano - Todos os direitos reservados ©