Conecte-se a nós

Notícias

Proprietários de vans querem ampliação para o tempo de uso dos veículos

Published

on

Foto: Andressa Ramos

Wolnéia da Silva Alves, de 53 anos, é uma entre os 35 proprietários dos transportes escolares de Lages que está sem poder trabalhar devido ao decreto de 2015, que determina a vida útil dos veículos a serem utilizados para prestação de Serviço de Transporte Escolar, os quais deverão ter no máximo dez anos, desde a data de fabricação.

A mulher é a pioneira de transportes escolares na cidade, atua há 30 anos na área e se diz a mais prejudicada, já que perdeu o carro, terá de pagar guincho, diária, e perder pontos na carteira. Porém, não deixou de atender seus clientes e está levando os alunos de táxi para as escolas.

Sem saber dessa mudança, Wolnéia trabalha com uma van de 12 anos. Ela e os demais proprietários comentam que não foram avisados do decreto assinado em 2015 e, por este motivo, seguiram trabalhando com os transportes até completar 15 anos de uso, o tempo determinado anteriormente.

Na semana passada, o fato chamou atenção, pois Wolnéia teve seu carro apreendido por estar acima do tempo permitido. “Estou aqui na frente da prefeitura para ter meu veículo de volta e tentar voltar ao trabalho.”

Ontem, por saberem de uma reunião marcada entre a Associação de Condutores do Transporte Escolar e Alternativo de Lages (Actreal) e o prefeito Antonio Ceron, os proprietários e motoristas de vans escolares se reuniram em frente à prefeitura para reivindicar nova mudança na lei, permitindo o uso dos veículos com até 15 anos.

Porém, devido a outro compromisso, Ceron afirma que precisou desmarcar a reunião e transferir para hoje. O prefeito confirma que vai conversar com os proprietários, mas está prezando pela segurança das crianças que utilizam os carros. Depois de fazer uma análise, dará a resposta.

O especialista em trânsito, Adailton Camargo, comenta que “o Contran determina o prazo de 10 anos de uso para os veículos de transporte escolar e, caso um município mudar essa previsão, terá de assumir a responsabilidade sobre qualquer problema que estes veículos venham a apresentar.

“Esse prazo de 10 anos foi criado para oferecer mais segurança aos usuários do serviço, pois estes veículos rodam muito e sofrem maior fadiga nos componentes de segurança que podem, com o passar do tempo, causar sérios acidentes. Esse prazo foi estudado e analisado por técnicos na área automotiva e, ir contra esta previsão, é complicado,” alerta Camargo.

Moção legislativa aprovada por unanimidade

Considerando que: Os motoristas de vans e micro-ônibus que fazem o transporte escolar estão preocupados com a queda no faturamento e querem que os veículos possam ser usados por mais tempo. Os profissionais reivindicam a ampliação do prazo de utilização das vans e micro-ônibus pelas ruas da cidade, de 10 para 15 anos.

Os veículos com 10 anos de uso e que passam por manutenção regular, têm condição de circular perfeitamente. Os profissionais se queixam das dificuldades financeiras que a categoria vem enfrentando nos últimos anos.

A alteração do prazo de uso dos veículos para 15 anos é possível, mas precisa ser cobrada a obrigatoriedade de inspeção técnica a partir dos 10 anos, pois o veículo precisa estar em perfeito estado de uso, segurança e conservação, especialmente os sistemas de direção, freios, iluminação, sinalização e escapamento.

Vivemos em uma fase de altos índices de desemprego e aumentando o prazo de utilização, impediria que esse índice aumentasse, além de ser uma forma de minimizar os problemas que a categoria vem enfrentando com os constantes aumentos no preço dos combustíveis.

Íntegra da moção

A moção legislativa sugere a alteração do artigo 11 do decreto  Nº 6.500/2001 com redação dada pelo decreto 14.720/2015, para que amplie o prazo de vida útil das vans e micro-ônibus de dez para 15 anos.

Comentários
Compartilhe

Notícias

Fornecimento de gás natural em rede pode ser afetado pela paralisação em algumas cidades

Published

on

Por

Foto: Divulgação

Em virtude da paralisação promovida por motoristas de caminhão que corre em todo país, a SCGÁS tranquiliza seus consumidores e informa que o abastecimento com gás natural veicular (GNV) aos postos de combustíveis, em sua maioria, não será prejudicado pelas paralizações. Os segmentos industrial, comercial e residencial também não serão afetados.

A SCGÁS atende atualmente 132 postos em Santa Catarina, e apenas nove deles podem ter suas atividades de fornecimento de gás natural afetadas, por serem atendidos pelo modal de gás natural comprimido – nesta alternativa de mercado, o gás natural é retirado da rede e transportado por caminhões até os postos. Os demais clientes do segmento veicular da SCGÁS são abastecidos por meio de redes canalizadas, o que garante fornecimento contínuo e ininterrupto.

Os estabelecimentos possivelmente prejudicados foram alertados pela Companhia, e terão seu abastecimento restabelecido gradativamente ao término da greve. Abaixo, a lista de postos atendidos que podem ser afetados:

  •        Posto AO Petrolages – Lages;
  •        Posto BR 4R – Rio do Sul;
  •        Posto BR Oenning – Braço do Norte;
  •        Posto IP Furnas Sombrio – Sombrio;
  •        Posto BB Fratelli São João do Sul – São João do Sul;
  •        Posto BB Guarujá – Lages;
  •        Posto Neogás Hoffmann – Orleans;
  •        Posto Neogás Michells Beach – Imbituba;
  •        Posto BB MIME 14 – Pouso Redondo;

O GNV, que proporcionava elevados percentuais de economia em relação aos combustíveis líquidos, abriu vantagem ainda maior frente aos seus concorrentes nos últimos dias. Após as altas recentes, com base nos preços médios da ANP em Santa Catarina, o gás veicular passou a apresentar 56% de vantagem comparado à gasolina e 66% em relação ao etanol. Em termos práticos, abastecendo R$ 30 de cada combustível, o motorista anda 65 km utilizando etanol, 82 km com gasolina, e 189 km rodando com GNV.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Pontos da BR 116 com manifestação em Santa Catarina e Paraná

Published

on

Por

Foto: Susana Küster

BR 116 em Santa Catarina:

 

Mafra:

Km 7: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva, sem registro de lentidão. Há paralisação de caminhões e carretas em acostamentos por aproximadamente 3 km em cada sentido.

 

Papanduva:

Km 54: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Caminhões parados no trevo de acesso ao município.

 

Santa Cecília:

Km 138: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

Km 141: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

Km 143: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Ponte Alta do Norte:

Km 166: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Correia Pinto:

Km 217: RODOVIA TOTALMENTE INTERDITADA

 

Lages:

Km 245: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

 

BR 116 no Paraná:

 

Curitiba:

Km 115: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente.

 

Fazenda Rio Grande:

Km 125: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente;

Km 127: interditado para veículos de carga, os mesmos estão estacionados em acostamento, ambos os sentidos. Restante de veículos trafegam normalmente.

 

Mandirituba:

Km 135: pista norte interditada e tráfego desviado para acostamento, tráfego da pista sul permanece sem obstrução. Não há registro de lentidão;

Km 152: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível e faixa de domínio, não há registro de lentidão.

 

Quitandinha:

Km 166: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

 

Campo do Tenente:

Km 191: ambos os sentidos liberados para veículos leves, ônibus, veículos de emergência e caminhões com carga viva. Veículos de carga estacionados em pátio de posto de combustível, não há registro de lentidão.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Taxistas aderem movimento de caminhoneiros

Published

on

Por

Foto: Divulgação

Os taxistas de Lages fizeram uma carreata na tarde desta quinta-feira (24) em apoio a greve dos caminhoneiros. Eles seguiram em direção ao Posto Ampessan, no entroncamento das BRs 116 e 282. Depois de conversarem com manifestantes foram até o Posto Palmeira e em seguida retornaram para o Sindicato dos Taxistas, entidade que organizou a carreata.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 . Centro . 88502-000 . Lages . SC . Brasil . Fone: 49 3221.3300 . correiolageano@correiolageano.com.br

CL+| Correio Lageano - Todos os direitos reservados ©