Conecte-se a nós

Notícias

Programa, em Lages, combate a obesidade na vida adulta

Published

on

Pacientes só participam do programa com acompanhantes - Foto: Susana Küster

Desde criança, Michael Santos, 32 anos, é obeso. Nasceu com 4,8 quilos e quando tinha 13 anos já pesava 89 quilos, o peso que deveria ter hoje, mas possui 156 quilos.

Com dificuldade para encontrar roupas que lhe sirvam, preocupado com a saúde e sem poder se exercitar, devido ao excesso de peso, ele decidiu emagrecer.

Mas para isso, começou a participar de um programa promovido pelo Hospital Tereza Ramos, chamado Centro de Referência em Cirurgia Bariátrica, feito pelo Ministério da Saúde.

Faz um mês que ele participa do programa e conseguiu, neste período, emagrecer 10 quilos. Quando chegou estava com 166 quilos. Sua esposa é uma grande incentivadora e a ideia dele é logo começar a fazer atividade física. “Eu mudei minha alimentação e aos poucos comecei a emagrecer, já mudei onde fecho a cinta”, conta.

A mãe dele é obesa e isso influencia no peso dos filhos. Segundo dados do Ministério da Saúde, 40% dos obesos tem o pai ou mãe com obesidade, e o índice alcança 70%, quando ambos são obesos.

Outra integrante do programa é Vanusa Rodrigues dos Santos Bauer, 37 anos. Aflita por não conseguir participar de algumas brincadeiras com a filha, ela decidiu emagrecer, já que hoje pesa 127 quilos.

Em um mês, perdeu 3,7 quilos. O objetivo dela é perder 18 quilos para conseguir fazer a cirurgia bariátrica. E, depois emagrecer mais para ficar com cerca de 70 quilos, ou menos.

Ela também é obesa desde a infância. Segundo o que recorda, devido à má alimentação e falta de exercício. Sua mãe também tinha obesidade e uma irmã fez cirurgia bariátrica e conseguiu manter o peso.

Entidade atende 150 municípios

O programa existe desde 2005 e para participar é preciso recomendação médica. Outra exigência é sempre estar acompanhado de um familiar que conviva com o paciente.

O objetivo é que alguém incentive e cuide para que a pessoa não fuja de uma alimentação balanceada. Com esse trabalho, o hospital atende pessoas de seis regiões catarinenses, englobando 150 municípios.

Desde 2005, o programa recebeu 2,274 pessoas, sendo que 198 desistiram e 280 abandonaram. A diferença entre os dois tipos de pacientes é que o primeiro número se refere a aqueles que conseguiram emagrecer sem cirurgia ou que não querem fazer, por medo dos riscos.

E os 280, são os que simplesmente decidiram que não vão emagrecer e não dão um retorno para o hospital sobre sua decisão.

Os pacientes que conseguem emagrecer para fazerem cirurgia bariátrica, ganham quatro cirurgias plásticas. O total de peso que deve ser perdido varia de acordo com o Índice de Massa Corpórea (IMC).

“São quatro regiões: braço, abdômen, perna e mama. Porém, infelizmente, depois de dois anos de acompanhamento do peso, cerca de 70% engordam novamente e não podem fazer cirurgia plástica”, afirma a diretora do hospital, Beatriz Montemezzo. Ela frisa a importância do programa que possui uma equipe multidisciplinar formada por psicólogo, fisioterapeuta, médico, nutricionista, entre outros profissionais.

Comentários
Compartilhe
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade/responsabilidade do Correio Lageano. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo disponibilizado neste site, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia por escrito do CL ou do titular dos direitos autorais.