Conecte-se a nós

Notícias

Para reduzir barro e poeira, idosa fecha os buracos da rua

Published

on

Foto: Camila Paes

Aos 72, dona Dorvalina Silva é quem fecha os buracos da rua onde mora, no Bairro Caravágio, em Lages. Ela reúne as pedras que ficam as laterais da Marechal Artur Costa e Silva e coloca no máximo de buracos que consegue. A dona de casa faz essa atividade com frequência, principalmente quando percebe que as fissuras aumentam.

Dorvalina revela que, além do problema com a grande quantidade de buracos, a alta velocidade que os veículos passam pelo local também preocupa. Enquanto a reportagem esteve no local, foi possível perceber a imprudência de alguns motoristas, que para desviar dos buracos, jogam os veículos para muito próximo do portão da casa da idosa.

Ela explica que isso é comum, principalmente durante a noite, quando o movimento aumenta. Além disso, é comum os veículos ficarem parados na rua, com som alto, madrugada a dentro. O pó também incomoda em dias secos, e faz com que os problemas respiratórios do marido piorem. Em dias de chuva, o barro escorre pela garagem. É por isso, que ela trata de cobrir os buracos da melhor forma que pode.
Em frente à casa de Dorvalina, está a escola estadual Cora Batalha. Ela revela que os professores também reclamam da poeira e que é preciso sempre manter as janelas fechadas por causa da sujeira. Há sete anos, Reinert Franzen administra uma empresa na rua. Ele reforça que a incidência de pó é muito grande e que a alta velocidade dos veículos é um problema.

O secretário de Planejamento e Obras, Claiton Bortoluzzi esteve pessoalmente na rua para avaliar a situação. Parte da rua é asfaltada e passou, recentemente, por uma operação tapa-buracos, mas não há como garantir que o restante da via receberá pavimentação. Entretanto, ele garante que outras melhorias serão realizadas, como parte de um cronograma de obras no Bairro Caravágio.

Comentários
Compartilhe

Notícias

Grave acidente na BR 116, em Lages

Published

on

Por

Foto: Divulgação

Um acidente no acesso a empresa Vossko do Brasil, na BR-116, em Lages, na noite desta segunda-feira (21), deixou uma das vítimas, ocupante de um Fiat Uno, presa as ferragens. O Corpo de Bombeiros atendeu a ocorrência. O nome das vítimas não foram divulgados.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Caminhoneiros só voltam se o diesel baixar

Published

on

Foto: Susana Küster

Em meio as paralisações de caminhoneiros pelas rodovias do país, a Petrobras anunciou ontem, mais um aumento da gasolina e do diesel. Este foi o 11º aumento nas últimas duas semanas e os preços sobem de novo hoje. Dados da Agência Brasil são de que a gasolina vai subir 0,9% e o diesel 0,97%. Com o reajuste, o preço da gasolina nas refinarias passa a custar R$ 2,0867 enquanto o do óleo diesel sobe para R$ 2,3716.

Neste mês, a gasolina subiu 16,07%. O diesel já recebeu sete aumentos consecutivos, só no mês de maio, o combustível aumentou 12,3%. O aumento do combustível gera alta no transporte dos caminhoneiros, que impacta no preço dos alimentos e produtos em geral.

A greve dos caminhoneiros não tem data para acabar, segundo o diretor regional da Confederação Nacional dos Trabalhadores em Transporte e Logística, Jorge Flores de Oliveira. Na segunda-feira (21) de tarde, ele e cerca de 50 caminhoneiros pararam no Km 245, na BR-116, no pátio do posto Ampessan, em Lages. Ninguém era obrigado a parar no trecho, mas grande parte dos caminhões aderiram à paralisação.

Para os caminhoneiros autônomos, Luiz Mendes e Nilson Rodrigues, o aumento constante do combustível já se tornou abusivo. Mendes também reclama da cobrança do pedágio quando os eixos dos caminhões estão erguidos, sendo que a Lei Federal nº 13.103/15, proíbe. A assessoria de imprensa da Autopista Planalto Sul, contesta a informação, dizendo que não cobra.

Reivindicações

Segundo a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam), que organiza o movimento, os caminhoneiros reivindicam que as alíquotas de PIS/Pasep e Cofins sejam zeradas, além da isenção da Cide (Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico). Os impostos representam quase a metade do valor do diesel na refinaria. A Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes (Fecombustíveis), que representa os donos de postos, também pede mudanças tributárias.

Motivos da alta

Em julho de 2017, o governo implantou na Petrobras o sistema de reajuste diário dos preços. O objetivo era de competir com combustíveis importados por outras companhias. Desde então, até o dia 12 de maio deste ano, a gasolina acumulava alta de 26% e o diesel de 30%. Vale lembrar que a inflação do período foi de 3,8%.
Desde quando o novo método de reajustes foi adotado, o preço do diesel comercializado nas refinarias subiu 57,78%.

Reunião

O presidente Michel Temer fez uma reunião de emergência para discutir a alta dos preços dos combustíveis com os ministros Moreira Franco (Minas e Energia), Eduardo Guardia (Fazenda), Eliseu Padilha (Casa Civil), Esteves Colnago (Planejamento) e o secretário da Receita Federal, Jorge Rachid. Até o fechamento desta edição, a reunião não havia acabado.

 

Fetrancesc se posiciona contra aumentos

A Federação das Empresas de Transporte de Carga do Estado de Santa Catarina (Fetrancesc) é contrária à nova política de preços da Petrobras e é solidária ao movimento de paralisação nacional dos caminhoneiros. Em nota, a entidade diz que desde a implantação da política de preços da estatal, em junho de 2017, houve aumentos extremamente prejudiciais ao setor dos transportes, aquele que movimenta a economia do Brasil.

O texto ainda diz que os aumentos são um exagero, diante de uma taxa de inflação abaixo da média e da excessiva carga tributária do Brasil que incide no transporte. A proposta da Fetrancesc para os caminhoneiros é de que eles nem saiam dos pátios das empresas para garantir o direito de ir e vir de todos. A entidade espera que o governo revise a tributação federal dos combustíveis e que reveja a política adotada pela Petrobras.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Buraco na Serra do Panelão deixa trânsito em meia pista

Published

on

Por

Foto: Divulgalção

A chuva da última semana abriu um buraco no Km 361 da SC 110, na Serra do Panelão, em Urubici. A abertura no asfalto fica no meio da pista de rodagem no sentido BR 282 a Urubici. O local está sinalizado, mas é preciso cuidado dos motoristas.

O Departamento Estadual de Infraestrutura (Deinfra), em Lages está tomando as medidas para solucionar o problema. Nesta terça-feira (22) engenheiros do Deinfra e da Rodec, empresa que tem o contrato de conservação estrutural das rodovias da região, farão uma análise técnica para decidir o que será feito.

O buraco mede cerca de 10 cm de diâmetro, e, segundo uma análise superficial apresentada pelo Deinfra, está relacionado ao um problema de infiltração de água. O local é próximo do ponto da Serra, que no mês de junho ano passado, teve rachadura na pista decorrente das fortes chuvas na região. Na época foi necessário  realizar a recomposição do corpo da estrada.

 

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 . Centro . 88502-000 . Lages . SC . Brasil . Fone: 49 3221.3300 . correiolageano@correiolageano.com.br

CL+| Correio Lageano - Todos os direitos reservados ©