Conecte-se a nós

Notícias

O Raio-X das escolas estaduais de Lages

Fotos: Andressa Ramos

Published

em

Em pleno século 21, quando o avanço tecnológico é contínuo e escolas particulares possibilitam pais a acompanharem a rotina dos filhos por meio do celular, uma escola pública, em Lages, na Serra Catarinense, utiliza tramelas para fechar as portas, ou, ainda, arames improvisados.

Essa é a realidade de uma das mais de 20 escolas estaduais que fizeram parte do levantamento feito pelo Correio Lageano.

Há mais de 50 anos atendendo a comunidade, a Escola Belisário Ramos, no Bairro São Cristóvão, passa por crise na infraestrutura. Forros caindo, chão baixando e diversos pontos com rachaduras nas paredes.

Um dos banheiros está interditado por causa de vazamento e vasos entupidos. Salas de aula estão com piso bruto, sem a cerâmica. As que são divididas por madeira estão com partes podres.

Outro problema observado no Belisário, que também é comum em outras escolas, é a parte elétrica. Lâmpadas estão queimadas, aparelhos eletrônicos e eletrodomésticos se ligados juntos podem derrubar o disjuntor e a escola ficar sem energia elétrica.

A maioria das escolas possui ventilador ou ar-condicionado, porém, nenhuma consegue ligar todos os aparelhos juntos. Em algumas, os equipamentos estão encaixotados, ou apenas instalados sem funcionar. “Tenho medo de ligar e queimar”; “não ligamos, pois ficamos sem energia”; “de que adianta ter o ar-condicionado aqui se não podemos usar?”; “essa estrutura é muito antiga, desde a época da fundação, e são anos”. Estes, são alguns dos relatos de pessoas que estão dentro das escolas diariamente.

O secretário da Gerência Regional da Educação, Humberto de Oliveira, diz que neste ano, sete escolas devem passar por reforma, sendo elas: Pinto Sombra, Belisário Ramos, Leovegildo Esmério da Silva, Ilza Amaral, Egídio Baraúna, Armando Ramos de Carvalho e Francisco Manfrói. A medida em que a rede passa por reforma, a rede elétrica é tratada.

Levantamento feito pelo CL aponta problemas pontuais de cada uma das escolas estaduais de Lages. Mesmo com problemas estruturais, elas se destacam pelos projetos inovadores e que incluem a comunidade.

Algumas pessoas relataram que sentem como descaso escolas com paredes descascadas, crianças sem ter onde comer, ou quando tem algum local, é precário, pois, quando chove, enche de água.

  • Escola de Educação Básica Godolfin Nunes de Souza – Bairro Penha

Estrutura inaugurada há menos de dois anos; A escola tem auditório e quadra de esportes.

  • Escola de Educação Básica Lúcia Fernandes Lopes – Bairro Santa Catarina

A pintura está em dia, a manutenção foi feita recentemente na parte elétrica;  Na área aberta, há problemas com depredação e vandalismo, o motor de um bebedouro foi arrancado; As portas externas estão amassadas e riscadas; A escola não possui câmera de visão noturna; Há projeto em parceria com as Leoas da Serra, e as meninas da comunidade podem participar.

  • Escola de Educação Básica Armando Ramos de Carvalho – Bairro Bela Vista

Pintura descascada. Muro quebrado. Grades externas caindo; Deve passar por reforma ainda este ano.

  • Escola de Educação Básica São Judas Tadeu – Bairro Santa Helena

Rede elétrica antiga e não suporta a capacidade da carga; Alto número de furtos e depredação; Solicitação de vigilante e câmeras de videomonitoramento; No ginásio há pombas, o que prejudica as aulas de Educação Física; Precisa de reforma geral, segundo profissionais que trabalham na escola.

  • Escola de Educação Básica Belisário Ramos – Bairro São Cristóvão

Rede elétrica antiga. Aparelhos de ar-condicionado estão instalados, mas não estão funcionando; 160 lâmpadas precisaram ser trocadas no início do ano, pois estavam queimadas; Banheiros com pichação, além disso, um deles está interditado; Por toda a escola e nos muros, há pichações; Algumas salas estão com o chão caindo ou o forro; Deve passar por reforma ainda este ano.

Este slideshow necessita de JavaScript.

  • Escola de Educação Básica Professor Flordoardo Cabral – Bairro Centro

Reforma geral inaugurada recentemente. Agora, trabalha com projeto de Ensino Integral no Primeiro Ano do Ensino Médio.

  • Escola de Educação Básica Vidal Ramos – Bairro Centro

Solicitação constante de manutenção à Agência de Desenvolvimento Regional, pois precisa pintura externa; Além disso, precisa de uma rede de energia própria, pois, como é final de rede, tem problemas com a queda de energia. Lâmpadas queimam com frequência; Não é possível ligar todos os eletrônicos e eletrodomésticos juntos; Os ventiladores não funcionam; Para educação física, precisa de um espaço específico, não há ginásio.

  • Escola de Educação Básica Visconde de Cairu – Bairro Vila Nova

Estrutura boa; Parte elétrica não é suficiente para suportar os aparelhos de ar-condicionado.

  • Escola de Educação Básica Vidal Ramos Júnior – Bairro Centro

De 33 salas, oito estão com o ar-condicionado instalado, porém, nunca foi ligado, desde 2011; Parte elétrica antiga; Iluminação do estacionamento precária; O ginásio terá reforma inaugurada, em breve.

  • Escola de Educação Básica Rubens de Arruda Ramos – Bairro Conta Dinheiro

Aguardando licitação para reforma. Precisa de mudanças na parte elétrica, saída de emergência e pintura.

  • Escola de Educação Básica Francisco Manfrói – Bairro Santa Mônica

Passará por reforma este ano. Por enquanto, terá reconstrução emergencial da ala que foi incendiada no início do ano.

  • Escola de Educação Básica Cora Batalha da Silveira

O Correio Lageano não teve retorno da direção.

  • Escola de Educação Básica Frei Nicodemos – Bairro Petrópolis

Dificuldade com internet. Um mutirão será feito para engajar a comunidade.

  • Escola de Educação Básica Jorge Augusto Neves Vieira – Bairro Pisani

Parte elétrica antiga, não é possível ligar os aparelhos de ar-condicionado; Nos telhados, há buracos com goteiras. Precisa de reparos na pintura.

  • Escola de Educação Básica Maria Quitéria – Bairro Conta Dinheiro

Parte elétrica antiga. Aparelhos de ar-condicionado estão guardados nas caixas. Solicitação por mais salas de aulas e mais áreas cobertas. Proteção contra o sol.

  • Escola de Educação Básica Nossa Senhora do Rosário – Bairro Coral

Parte elétrica foi mexida, mas ainda é insuficiente; Pintura está boa.

  • Escola de Educação Básica Industrial de Lages – Bairro Vila Nova

Reforma inaugurada no mês passado.

  • Cedup Renato Ramos da Silva – Bairro Universitário

Reforma feita recentemente.

  • Escola de Educação Básica General José Pinto Sombra – Bairro Guarujá

Problemas com parte elétrica, parede rachada, não tem acessibilidade, não tem refeitório, banheiro entupido, ar-condicionado não funciona. Deve passar por reforma ainda este ano.

  • Escola de Educação Básica Ilza Amaral de Oliveira – Bairro Santa Helena

Manutenção constante, porém, solicita um ginásio e quadra coberta, além de banheiros novos. Reforma nas paredes das salas de aula. Ventiladores estão com problemas. A escola é final de rede e, por isso, as lâmpadas queimam com frequência. Um sonho da comunidade é que o ginásio seja construído, além de um asfalto na frente da escola para evitar a poeira e propiciar melhor acessibilidade aos cadeirantes. Deve passar por reforma ainda este ano.

  • Escola de Educação Egídio Baraúna – Bairro Araucária

Problema na parte elétrica. Esperando a construção de um ginásio de esportes. Pintura nos muros. Deve passar por reforma ainda este ano.

  • Escola de Educação Básica Zulmira Auta da Silva – Bairro Popular

Reforma feita em 2013 e está sendo mantida.

Comentários
Compartilhe

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade do Correio Lageano e Portal CLMais