Conecte-se a nós

Notícias

Luciano Hang não é candidato, mas ainda pode ser

Published

on

Foto: Bárbara Sales /O Município / Divulgação

 Por Bárbara Sales, Jornal O Município – Brusque, especial para o Correio Lageano

Jornalistas de todo o estado estiveram em Brusque na manhã de sexta-feira, 5, na sede administrativa da rede de Lojas Havan, para o grande anúncio político do empresário brusquense Luciano Hang. Pontualmente iniciada às 10 horas, havia grande expectativa sobre o que o empresário, proprietário de 107 megalojas em todo o país, diria na coletiva de imprensa convocada no apagar das luzes de 2017.

Desde o anúncio da coletiva, muito se especulou, principalmente sobre a possibilidade de Hang comunicar sua candidatura a um cargo público nas eleições deste ano. As principais apostas eram que ele anunciaria sua candidatura ao Governo do Estado. No fim da tarde de quinta-feira, as especulações sobre a candidatura se tornaram ainda maiores, já que surgiu a informação do pedido de desfiliação de Hang do PMDB, partido ao qual fazia parte desde 1985, o que movimentou ainda mais o cenário político catarinense, já que o empresário poderia anunciar, também, o novo partido .

Entretanto, as expectativas não se confirmaram. Durante cerca de 1h20, Luciano Hang desabafou sobre a situação política e econômica do país. Falou sobre a grande burocracia, a alta taxa de juros que faz as empresas brasileiras perderem mercado e competitividade para outros países e, principalmente, sobre a classe política e a necessidade de mudar a forma de fazer política no Brasil. “O Brasil não vai mudar se nós não mudarmos os nossos votos. Vamos continuar sendo um país de miseráveis, de pobres, para o resto das nossas vidas. O Brasil está virado de cabeça pra baixo. No Brasil de hoje, o errado é o certo e o certo é o errado, está tudo errado neste país”, diz. “Temos que acabar com pessoas que vão para o serviço público pensando em roubar, em enriquecer. Aliás, tem empresários que apostam no governo para ganhar do BNDES juros subsidiados para comprar jatinho, enriquecer, enquanto isso, o povo sofre. Eu não penso assim, não penso só na minha empresa, mas no meu país”, concluiu.

Nova postura política
O grande anúncio de candidatura não veio, entretanto, o empresário deixou a possibilidade de disputar o pleito de 2018 totalmente aberta, já que a legislação eleitoral permite filiações a novos partidos até meados de abril. “Temos quatro meses para ver, estudar, conversar. Esse é o ano do fato novo, é o ano do empreendedor, do empresário, ano de as pessoas votarem em quem tem disciplina, sabe administrar e quer fazer”, afirma. Ele disse que terá uma participação mais efetiva na vida política. Que até então, tentava participar um pouco na política local. “Eu acho que nós, empresários, pessoas do bem, precisamos nos manifestar senão nós estamos condenados a viver assim, se não cuidarmos, vamos quebrar a cara”. O empresário enfatizou que está no jogo, que pode pleitear qualquer cargo, como também pode apoiar alguém, incentivar alguém ou ser esse alguém que possa ajudar esse país a ir para o caminho que acredita que tem que seguir. Hang declarou que não há nenhum partido em vista e está aberto a todas as possibilidades.

Desfiliação do PMDB
Sua desfiliação do PMDB ocorreu para evitar mal estar dentro do partido, caso ele opte por disputar a eleição neste ano. “Por que criar uma confusão dentro do partido se eles já estão se articulando”, diz, se referindo ao presidente estadual da sigla, o deputado Mauro Mariani, que pretende disputar o governo do estado, e também ao vice-governador, Eduardo Pinho Moreira, que também tem pretensões. Hang afirma que se filiou ao partido ainda em sua época de estudante, quando foi líder estudantil e já tinha grande amizade com o ex-governador Luiz Henrique da Silveira, falecido em 2015. “Eu fiquei até ontem [quinta-feira] como forma de homenagear esse grande homem que foi o Luiz Henrique, maior político de Santa Catarina e nosso melhor governador”.

Certidão negativa
O empresário também fez questão de apresentar sua certidão negativa criminal aos jornalistas, o que classificou como um ato de transparência. Hang afirma que sempre quando se manifesta politicamente, é inundado por uma chuva de críticas, principalmente nas redes sociais, de pessoas que citam processos que ele e a sua empresa têm na Justiça. “Hoje, 95% do que eu compro é nacional, privilegio a nossa indústria, e as pessoas querem nos atingir para que o empresário não se meta em política. Está aqui o processo, nada consta, fomos inocentados. Temos muitos processos, sim, e vamos continuar sendo processados. O que importa é não ser condenado. Aqui está a minha certidão para as pessoas que ficam falando mal de mim. Sou transparente”.

Mudanças
Para o empresário, chegou a vez dos novos terem oportunidade na política, principalmente aqueles que têm coragem para fazer as mudanças que o país precisa. “O político tem que tomar decisões que muitas vezes não são unanimidade, mas se ele souber que está certo, tem que tomar. Não podemos errar a terceira vez. Ninguém mais quer saber do político que rouba, mas faz, do bonzinho incompetente ou daquele que fica em cima do muro. Precisamos de políticos que não dependam daquele cargo, a maioria dos maus políticos só fez política a vida toda, se perderem o cargo, não sabem fazer nada. Precisamos mudar este cenário”.

Comentários
Compartilhe

Notícias

Apesar de simpáticos, pombos podem transmitir doenças

Published

on

Por

As pessoas estão acostumada a dividir os ambiente com os pombos - Foto: Bega Godóy

Seu Cláudio Luis de Sousa tenta, há décadas, construir uma relação amistosa com os pombos. Ele vende pipocas no Calçadão da Praça João Costa, desde 1990, em Lages e nunca gostou da presença dos habitantes emplumados. “Não dão benefício algum e ainda causam doenças”, afirma.

E não tem jeito, a má reputação das aves ganha ainda mais força quando vê as pessoas alimentando-as, pois isso, favorece a concentração dos animais na praça aumentando o  tormento diário do vendedor.

“Quando tinha o Colégio Aristiliano Ramos, a comida era farta, mas com a demolição eles ficam voando pela redondeza. Ficam nas fachadas das estruturas e sujam tudo. Já vi muita gente levar rajada dos pombos. Um já caiu na fritadeira”, acrescenta.   

Entretanto, há quem considere o pombo um animal simpático e concorde com a o título atribuído a ele: símbolo da paz. As crianças amam correr atrás delas e jogar migalhas e pipoca, ato prejudicial à saúde dos animais, além de viciá-los.

Como dificilmente são caçados por outros animais, sua população cresce muito rápido o que se tornou um grave problema de saúde, pois causam várias doenças graves, que podem levar à morte ou deixar sequelas.

Doenças

A forma mais comum de infecções causadas pelos pombos, é feita pelas vias respiratórias, através da inalação das fezes secas depositadas nos mais variados lugares, como em carros, chãos, janelas e calçadas. Porém outro modo de contaminação bastante comum é através do piolho dos pombos que podem cair sobre as pessoas quando eles voam.

Assim como os humanos, esses animais precisam de três fatores para sobreviver: água, alimento e abrigo. Justamente por isso, costumam viver perto da população, porque é ela que fornece esses elementos nas frestas das casas, porões, sótãos ou até mesmo por deixar comida acessível no lixo ou aberta na despensa.

Por isso, a dica é afastá-los, eliminando esses fatores de sobrevivência como uma maneira de prevenção de doenças. Além de não oferecer abrigo, alimento e água, vedar espaços e vãos, usar abrigos controlados e colocar o lixo no local adequado também são medidas que podem ajudar bastante.

Colocar espantalhos, papel laminado, CDs ou equipamentos sonoros nas janelas não resolvem o problema.

Com informações de  ISaúde Bahia e Saúde animal

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Música na Serra une músicos de várias partes do Brasil e do mundo

Published

on

Boaz Castro de Campinas participa pela segunda vez do evento - Fotos: Camila Paes

Dos diversos idiomas falados entre os participantes do 6º Festival Internacional Música na Serra, o da música é aquele que não há barreiras de compreensão. As masterclasses começaram e os cerca de 60 alunos e os 23 professores enchem as salas de aulas de escolas lageanas com música, dança e canto. Nesta terça-feira, sobem ao palco do Teatro Marajoara os professores de cordas e piano em apresentação gratuita.

O professor de viola e música de câmara, Marcelo Jaffé, participa do festival pela segunda vez. Foi através do maestro Jean Reis que Jaffé conheceu o evento, que considera sensacional, principalmente por acontecer durante, segundo ele, um momento delicado do nosso país. “Há uma falta de política cultural vindo do Governo Federal, por causa da crise houve uma diminuição muito grande do apoio”, acrescenta.

Por causa disso é grande a importância de eventos como o 6º Festival Internacional Música na Serra, principalmente para os jovens e crianças, o que gera uma preocupação com a cidadania e com aquilo que pode gerar uma diferença na vida dessas pessoas. “Como é um momento muito complicado, acredito que será preciso muito tempo para retomar o investimento na cultura. O Música na Serra é um bastião de resistência durante este período”, ressalta Jaffé.

O paulista Kauê Belisário da Silva, 28, estuda viola há cerca de 10 anos. Esta é a segunda vez que participa do Festival como bolsista e mesmo com as temperaturas acima dos 20ºC, estava com frio. Antes de começar a especializar na viola, Kauê tocava outros instrumentos, como violão e guitarra. A vontade de levar a música como profissão fez Kauê começar a estudar o novo instrumento.

Kauê e Jaffé participar do primeiro dia de masterclass

Evento deveria acontecer em mais cidades, avalia bolsista

Boaz Castro, 24, e Rafael Melo, 23, participaram nesta segunda da masterclass de violoncelo do professor Viktor Uzur. Esta é a segunda vez em Boaz, morador de Campinas (SP), que desde os 16 estuda violoncelo, é bolsista do Festival. Acostumado a participar de diversos festivais, ele acredita que eventos como o Música na Serra deveriam acontecer em mais cidades brasileiras.

Já o catarinense Rafael Melo está pela terceira vez no Festival. Segundo ele, a importância de estar neste ambiente, além de aprender ainda sobre o instrumento, é poder estar em contato com colegas, amigos e fazer novos contatos. Além de aprender com bons professores e novas oportunidades, o que ele acredita faltar em Santa Catarina para os músicos.

Professor sérvio participa pela quinta vez

O professor sérvio, Viktor Uzur, está pela quinta vez no Festival. Em inglês, já que mora nos Estados Unidos e arriscando algumas palavras em português, Viktor deu aula para Boaz e Rafael nesta segunda-feira. Analisando as mudanças em que o Música na Serra passou nos últimos anos, ele percebe que o evento cresceu muito, já que começou com um grupo pequeno de músicos e agora têm uma orquestra completa e um coral.

Para ele é importante que o evento aconteça não apenas em capitais, mas também no interior, já que leva cultura para as diversos grupos de pessoas. “Assim, todos têm a vivência, principalmente a comunidade regional”, acrescenta. Viktor ainda exemplifica que, em eventos como este, é possível dar a experiência de ouvir artistas de diversas partes do mundo e músicas que foram compostas por artistas de outros séculos.

Um exemplo disso é a sonata para cello e piano, L.135 do francês Claude Debussy do século 19, que será apresentada nesta segunda-feira (16) por Viktor no violoncelo e pelo georgiano Guigla Katsarava no piano. O músico participa de festivais no Brasil há 10 anos e para ele, o Música na Serra é um dos maiores eventos do País.

Nesta terça, a partir das 20h, serão quatro apresentações com seis professores. Além da sonata L.135; os músicos tocarão Pieces in Folk Style de Roberto Schumann; Trio para violino, viola e cello No. 3 em C menor, OP. 9 de Beethoven e Flute Quartet No. 1 in D major, K. 285 de Mozart. O 6º Festival Música na Serra vai até sábado, com apresentações gratuitas durante todas as noites.

Professor Viktor está pela quinta vez no Música na Serra

Confira a programação completa:

Terça-feira (17)

Professores em cena

Cordas e Piano

Quarta-feira (18)

Fernando Ávila & Quinteto Versatilis

Acordeon – Quinteto de Cordas

Quinta-feira (19)

Orquestra Acadêmica​

Ballet Infantil & Orquestra

Classe de Canto

Sexta-feira (20)

Coro infanto-Juvenil

Coro Música na Serra

Ballet ” CARMEN” de Bizet

Suíte versão reduzida

Sábado (21)

Concerto de Encerramento

Orquestra Sinfônica

Solista: Lyndon Taylor

Coro Música na Serra

Regência: Jean Reis

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo

Notícias

Homem é detido após furtar agropecuária

Published

on

Foto: Divulgação

Um homem de 32 anos foi detido na madrugada desta terça-feira (17) após furtar um estabelecimento na Rua Hercílio Luz, no Centro de Lages. Segundo a Polícia Militar, ao chegar no local, a guarnição avistou um homem pulando a grade da Agropecuária Marin, por volta de 01h50.

O suspeito fugiu em direção ao Mercado Público, onde foi abordado pela polícia. Com ele, foram encontrados R$ 435, em dinheiro, e uma chave de fenda. L.G de 32 anos, foi preso em flagrante. Ainda de acordo com a PM, a porta do estabelecimento estava aberta com sinais de arrombamento, e o caixa encontrava-se violado.

O responsável pela agropecuária foi comunicado e confirmou que havia aquela quantia de dinheiro no caixa. Os envolvidos foram levadas à Central de Plantão de Polícia.

Comentários
Compartilhe
Continue Lendo
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade/responsabilidade do Correio Lageano. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo disponibilizado neste site, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia por escrito do CL ou do titular dos direitos autorais.