Conecte-se a nós

Notícias

Juíza determina que CPPs não são responsáveis por dívidas

Published

on

Em 2017, integrantes das CPPs se manifestaram pedindo a revisão do processo - Foto: Andressa Ramos/ Arquivo CL

A juíza titular da 1ª Vara do Trabalho de Lages, Patrícia Santanna, emitiu um despacho favorável aos presidentes dos Conselhos de Pais e Professores (CPPs) isentando-os da responsabilidade pelos supostos débitos com os funcionários das entidades.

Eles estavam sendo cobrados de cerca de R$ 2 milhões, pois em janeiro do ano passado, com o vigor da Lei 13.019/2014, que estabelece o Marco Regulatório da Sociedade Civil, o município não pôde fazer repasse financeiro aos CPPs. Com isso, os honorários dos trabalhadores dispensados não ficaram a cargo do município e eram cobrados dos conselhos.

No processo, ela esclarece que os presidentes de CPPs não são responsáveis pelos débitos com seus empregados, pois a gestão do dinheiro que recebiam não era feita pelos presidentes, por isso não há a hipótese de má gestão.

A juíza também determina que a Prefeitura de Lages, até o dia 31 de agosto deste ano, verifique a possibilidade de fazer o pagamento das execuções das ações trabalhistas, bem como celebrar acordos, utilizando o mesmo procedimento adotado pelo Estado de Santa Catarina nas ações que figuram como demandadas as APPs.

Alívio

A decisão da juíza tranquiliza integrantes das Comissões de Pais e Professores (CPPs) das escolas municipais de Lages. Eva Claudino, é a presidente da CPP da Escola Waldo Costa, no Bairro Vila Nova. Ela conta que os últimos 40 dias foram de angústia e apreensão. “Fomos informados que teríamos que pagar essa dívida trabalhista, que é muito alta. Também somos trabalhadores e não temos esse dinheiro disponível”.

Eva comenta que várias reuniões foram realizadas para debater o tema, mas sem apontar uma solução. Estava dormindo muito mal e chorava com frequência. “Acredito que estava entrando em depressão, mas agora estou aliviada”. Nas reuniões, o valor divulgado a ser pago era em torno de R$ 2 milhões.

Como funciona

Todas as contratações e demissões de funcionários da rede municipal de ensino, sempre foram feitas pela Secretaria de Educação, que também era a responsável pelo pagamento dos proventos.

As verbas repassadas pelo Ministério da Educação às escolas municipais são encaminhadas via CPPs. Caso a escola não tenha a comissão, não recebe os recursos. Mas o dinheiro é destinado exclusivamente para a compra de material pedagógico e para pequenas manutenções.

Posicionamento da prefeitura

O procurador do município, Agnelo Miranda, diz que a decisão da juíza é importante e que a prefeitura vai estudar a possibilidade sugerida pela juíza dentro do prazo. Também afirma que algumas irregularidades graves precisam ser comprovadas, como confusão patrimonial e mau uso do dinheiro dos CPPs por parte dos presidentes. “Mas não havendo essas irregularidades, não há como condenar essas pessoas que trabalham voluntariamente”.

 

Comentários
Compartilhe
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio

Instagram

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade/responsabilidade do Correio Lageano. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo disponibilizado neste site, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia por escrito do CL ou do titular dos direitos autorais.