Conecte-se a nós

Negócios

Jogos da Seleção Brasileira impactam na economia

Published

em

Empresária diz que movimento aumenta 80% - Fotos: Susana Küster

Muitos comemoraram a saída do trabalho para assistir os jogos do Brasil, mas uma pesquisa da Cielo mostrou que as vendas no varejo, supermercados e outros setores diminuíram consideravelmente.

Por exemplo, no domingo (17/06), o varejo do país teve uma redução de 24,7% nas vendas. Nos supermercados, o movimento caiu 18,7%, na sexta (22/06). Nos bares e restaurantes, o fluxo de clientes reduziu 13,2% no mesmo dia. Porém, os dados mostram que nas padarias, as vendas aumentaram muito antes dos jogos e durante as partidas, o fluxo cai, mas logo depois volta ao normal.

Em contrapartida, uma pesquisa da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), mostra que uma em cada quatro famílias pretendiam consumir itens relacionados à Copa do Mundo, em Santa Catarina.

Os dados revelam que 24,2% dos entrevistados em Florianópolis vão às compras durante o mundial, equilibrado a média nacional (24%) deste ano, mas bem inferior a 2014  (36,9%). O percentual daqueles que não vão consumir no período (75,8%) é maior do que nas outras capitais da região Sul: Curitiba (60%) e Porto Alegre (68,7%).

Comportamento do consumidor

Os produtos mais procurados pelos consumidores em Florianópolis foram, segundo a pesquisa da CNC, alimentos e bebidas (11,4%), itens de vestuário masculino, feminino e infantil (7,9%) e TV (3%). A maioria (70,7%) pretendia pagar à vista, superando o comportamento nacional (63,6%).

O gasto médio apontado pela maioria dos entrevistados (35%) foi de mais de R$ 300, seguido por 27,6% que devem gastar até R$ 100 e 22,5% com intenção de desembolsar até R$ 200. Os dados da pesquisa de intenção de consumo foram apurados em 26 capitais e/ou regiões metropolitanas, com cerca de 18 mil consumidores.

Maioria das lojas fecha durante os jogos e quando as partidas são a tarde, não abrem mais

Empresária torcia para que Brasil ganhasse

Na sexta-feira passada, quando o Brasil perdeu a partida para a Bélgica, antes da partida, em algumas lojas de Lages, cartazes eram fixados na fachada, informando que durante o jogo, o estabelecimento seria fechado.

As ruas e calçadas ficaram vazias quando a seleção entrou em campo, o que dava a sensação de que a economia era prejudicada. Mas não é isso que vem acontecendo. Segundo a empresária, Simone Souza, desde o segundo jogo do Brasil, começou faltar acessórios na loja, como perucas, faixas e bandeiras.

Agora que a Copa está quase acabando, ela conta que não se consegue mais comprar produtos relacionados com as cores do país. “Nos dias de jogos, o pessoal procura mais os acessórios, aumenta muito o movimento antes e depois ao longo dos dias, compensa o tempo que a loja ficou parada durante o jogo”.

Ela acredita que há um acréscimo de 80% nas vendas devido aos jogos. “Torcemos para que o Brasil chegue na final, assim continuamos com o movimento bom”.

Há também lojas que sentem um impacto negativo dos jogos. É o caso da Honolulu Life Store. A supervisora de vendas, Amanda Vingla, conta que o período da manhã nos dias que a seleção joga têm movimento normal, mas depois mesmo com a loja aberta, o fluxo de clientes cai. “Abrimos um dia durante o jogo e não tivemos movimento”.

Lages demonstra reflexo positivo

Nos supermercados de Lages, durante os horários dos jogos,o movimento diminui muito, mas antes e depois aumenta bastante e recupera o que foi perdido. O que acontece é uma diferença no horário de fluxo dos clientes, não perda de vendas, de acordo com o presidente regional da Associação Catarinense de Supermercados (Acats), Jackson Martendal. Essa informação pode ser confirmada indo aos supermercados antes e depois dos jogos do Brasil. É notável o fluxo intenso dos clientes nesses períodos.

Em relação ao comércio, o vice-presidente da Associação Empresarial de Lages (Acil) Sadi Montemezzo, afirma que por mais que as lojas fechem durante os jogos, o movimento anterior e posterior compensa a queda de vendas. “Pode ser até que aumente o movimento, principalmente porque o pessoal compra produtos para consumir durante os jogos como acessórios e comida”.

O vice-presidente regional da Fiesc, Israel Marcon, afirma que na indústria da região não houve impacto dos jogos, pois os horários dos trabalhadores, que são liberados, têm sido compensados, não afetando a produção.

Anúncio
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Facebook

%d blogueiros gostam disto: