Conecte-se a nós

Entretenimento

Essencial: Lesões por exercício físico são mais frequentes nas mulheres

Published

em

Imagens: Agnes Samantha

É crescente e inquestionável o número cada vez maior de mulheres no meio esportivo. Sendo por competição ou na busca de uma vida mais saudável.

No entanto, também é fato que a incidência de lesões musculoesqueléticas é maior no sexo feminino do que no masculino. Mas por quê?

Segundo especialistas as diferenças anatômicas, biomecânicas e fisiológicas são as principais responsáveis pelo maior número de lesões neste gênero. Por terem menor volume de massa muscular e desenvolvimento ósseo por exemplo, além da pelve mais ampla e larga, as mulheres sofrem muito mais com lesões, principalmente nos membros inferiores.

As diferenças hormonais são também um dos grandes fatores, através da produção de estrogênio e relaxina que aumentam a lassidão nos ligamentos.

Segundo o fisioterapeuta Bruno Rech (Crefito – 175459/F), 28 anos, as principais lesões ocorrem na articulação do joelho, envolvendo muitas vezes os ligamentos, entre mulheres de 20 a 40 anos. “Mulheres que praticam esporte ou algum exercício físico, que demande corrida, saltos e mudanças de direção, estão mais susceptíveis a terem lesões atraumáticas, ou seja, lesões que ocorrem sem contato ou trauma. Por isso é importante manter acompanhamento com um Fisioterapeuta especialista”.

Bruno Rech atende na Clínica PhysioQuality

Fisioterapia Preventiva

No caso das mulheres, a pelve mais ampla e larga (característica física feminina), aumenta a tendência em ter o joelho valgo (em forma de x), juntamente com a falta de força e controle dos músculos do quadril, pode levar a pessoa a ter lesões nos membros inferiores.

Prevenção é a chave para diminuir a probabilidade de se lesionar, realizando uma avaliação criteriosa e exercícios corretivos, a chance de acontecer alguma lesão cai mais de 50% nesse público.

Já nos casos como o de Jéssica Matsui, 29 anos, que procurou atendimento somente depois da lesão de ligamento cruzado anterior, a solução geralmente desencadeia em cirurgia,  “Ela estava a algumas semanas do seu casamento e não teria como fazer a cirurgia naquele período. Fizemos algumas sessões que amenizaram a dor e que gerasse estabilidade para que ela pudesse ir à celebração normalmente e depois disso realizasse a cirurgia” relata Bruno, que também ressalta que a reabilitação depois da cirurgia continuou.

Cada paciente tem um atendimento individualizado, conforme avaliação prévia. As sessões não têm um tempo determinado, podem durar alguns meses e o foco será na correção dos fatores de risco que podem levar a lesões. Com a alta das sessões de fisioterapia, a pessoa pode continuar os exercícios que aprendeu, em academias ou até mesmo em casa com os movimentos corretos.

Um adendo, estalos e crepitações nos joelhos são normais se não estiverem acompanhados de dor, mas qualquer alteração no corpo pode ser um indicio para procurar um profissional.

 

 

Anúncio
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Cinema

Facebook

Anúncio
%d blogueiros gostam disto: