Eleições

Élvio Cavani (Patriota), candidato a deputado estadual

Published

em

Foto: Marcela Ramos

Correio Lageano: O Patriota tem diversos candidatos na região, mas poucos com reais chances de serem eleitos. Por que a estratégia do partido em lançar tantos candidatos?

Élvio Cavani: A possibilidade de ser eleito ou não depende de várias coisas, aprendi que não há nada na vida que um homem faça que o outro não possa fazer. A chance de qualquer candidato, do Patriota, é exatamente igual à de qualquer candidato de outro partido, basta o povo ter consciência e votar por ideologia, proposta, honestidade e capacidade. Com relação à estratégia, é algo que não sei responder, teria que conversar com a direção do meu partido.

O senhor já foi candidato a vereador, mas nunca foi eleito para um cargo eletivo. Por que as pessoas deveriam acreditar que o senhor tem condições de ser deputado estadual e estar na Assembleia Legislativa?

Costumo usar um texto bíblico que diz assim: “conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”. Para ser eleito, basta o catarinense votar em mim, conhecer a minha biografia, saber da minha história de vida comunitária, que são 14 anos de trabalhos prestados como voluntário. Trabalho que começou quando tinha 23 anos, fui presidente da Associação de Moradores do Bairro São Luiz, sendo o mais jovem da história da entidade. Fui, também, primeiro secretário do Conselho de Segurança do setor 6, em Lages. Atualmente, estou vice-presidente da Associação de Moradores do Bairro Centenário. Tenho trabalho voluntário prestado na comunidade. Por que as pessoas devem acreditar no meu trabalho? Porque, graças a Deus, sou honesto, sou ficha limpa, e isso não é mérito, a honestidade é um dever de todo cidadão. Creio que se as pessoas não se preocuparem com o resultado, simplesmente conhecerem o meu trabalho e as minhas propostas, terão bons motivos para votar em mim. A diferença de um candidato humilde para um candidato com maiores recursos, é só o financeiro.

O senhor se intitula missionário, inclusive seu nome na urna é Missionário Élvio e citou a bíblia na resposta anterior. Qual a necessidade de misturar religião e política?

Não seria misturar, seria uma referência. Eu não me intitulo, este atributo espiritual de missionário veio do alto dos céus, foi Deus que me deu. Não me intitulei e não foi o homem que me intitulou, seria uma discussão bem complexa. O catarinense que é espiritual sabe o que é um missionário. O missionário não é de uma igreja, onde quer vá, tem essa atribuição espiritual. É uma referência, para as pessoas saberem que é o Élvio missionário, para ter uma referência com o povo cristão.

Por que o senhor acha que merece o voto dos eleitores?

Sou ficha limpa, sou honesto e isso não é mérito. Simbolizo uma renovação, precisamos fazer uma limpa na Assembleia Legislativa, o povo não deve reeleger político. Alternância de poderes é fundamental para que se possa construir ideia novas e para oxigenar a Assembleia. Defendo a tese de que deputado estadual tem que ganhar salário mínimo, sabe por quê? Só o auxílio moradia dá mais quatro mil reais. Com o auxílio moradia e com subsídio de salário mínimo dá muito bem para se manter. Pense bem catarinense, compare o teu salário com o subsídio dos deputados estaduais que ganham, R$ 28 mil se não falha minha memória. Quero levar essa bandeira para a Assembleia e trazer recursos. Governar junto com os eleitores, pois o poder emana do povo.

O Correio Lageano publica uma série de entrevistas com os candidatos a deputado estadual e federal dos municípios da Serra Catarinense. Essas entrevistas acontecem sempre às terças e quintas-feiras às 10h30 e às 14h30, ao vivo, pelo Facebook, no CL Entrevista nas Eleições 2018.

clique para comentar

Deixe uma resposta

Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Social Media Auto Publish Powered By : XYZScripts.com