Conecte-se a nós

Negócios

Cidasc aponta investimentos de R$ 6,6 milhões

Published

on

Foto arquivo: Josiane Zago / Videira/Divulgação

Durante o ano de 2017, a Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) registrou muitas conquistas em diferentes áreas, com o apoio do Governo do Estado, da Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e do Programa SC Rural.

Os investimentos (despesas de capital) efetuados pela Cidasc em 2017, totalizaram R$ 6,6 milhões, de janeiro a novembro, empenhados e/ou pagos, segregados por fonte de recursos da seguinte forma: R$ 1,8 milhões em convênio com o Mapa; mais de R$ 3,5 milhões em recursos próprios;  mais de 1 milhão advindo do Programa do SC Rural.  Dos recursos próprios, em torno de 41%, cerca de R$ 1,4 milhões, foram aplicados no Terminal Graneleiro de  São Francisco do Sul.

O Presidente da Cidasc, Enori Barbieri, reafirma os compromissos da Companhia. “A Cidasc, para além dos números, é uma empresa que cuida das pessoas e de negócios, oportuniza a abertura de mercados através da agregação de valores em produtos com qualidade em defesa sanitária animal e vegetal. Somos referência em sanidade agropecuária, reconhecidos nacional e internacionalmente. Temos o compromisso de manter a excelência dos produtos aqui produzidos e comercializados”, diz.

Defesa Sanitária Vegetal

O Departamento Estadual de Defesa Sanitária Vegetal tem como destaque em 2017 as ações realizadas mediante convênio com o Mapa, pelo qual foram fiscalizadas 334 unidades de produção de banana, maçã e citrus, bem como 160 unidades de consolidação destas espécies. Essas atividades viabilizaram no último ano a comercialização dessas frutas para diversos estados da federação, movimentando cerca de R$ 2,4 bilhões na economia catarinense.

Para manter o status de Área livre de Cydia pomonella, o Departamento instalou 200 armadilhas, que foram monitoradas semanalmente. A erradicação da praga, viabilizou no último ano a exportação de 60 mil toneladas, o que gerou receitas na ordem de 40,6 milhões de dólares aos produtores catarinenses.

Foto arquivo: James Tavares / Secom/Divulgação

Neste ano foram emitidas cerca de 70 mil Permissões de Trânsito Vegetal – PTV’s, através da Certificação Fitossanitária, sistema que acompanha e atesta as condições sanitárias de plantas, partes de vegetais ou produtos de origem vegetal, hospedeiros de pragas quarentenárias ausentes ou presentes, em cumprimento às normas nacionais e internacionais, exigidos nas transações comerciais. É com a certificação que as partidas de produtos vegetais podem transitar livremente pelo território nacional, sem nenhum embaraço ou entrave fitossanitário, tornando-se assim, um instrumento fundamental para a sustentabilidade do setor produtivo e comercial de Santa Catarina.

Através do Programa de Monitoramento dos Resíduos de Agrotóxicos em Produtos Orgânicos – MPOrg-SC e Programa Alimento Sem Risco – PASR, foram coletadas 795 amostras ao longo deste ano, que resultou em 94% dos alimentos orgânicos isentos de resíduos de agrotóxicos.

Santa Catarina, após apresentação ao mapa do dossiê com a situação do cancro cítrico no Estado, de acordo com a nova normatização que atinge a citricultura nacional, obteve o status de Sistema de Mitigação de Risco – SMR para a praga Cancro cítrico. Ou seja, O SMR possibilitará ao citricultor catarinense comercializar a produção para todo o país.

O lançamento do Programa e-Origem é outra conquista da Cidasc neste ano. O programa proporcionará a inserção do pequeno produtor no mercado de produtos com origem identificada, de forma gratuita, fato de grande importância para a produção de frutas e hortaliças.

Por meio do  Programa SC Rural, foram realizadas 145 capacitações em boas práticas de fabricação, rastreabilidade de produtos de origem vegetal, rotulagem, embalagem, classificação vegetal, segurança de alimentos, entre outras, reunindo cerca de 4 mil participantes.

Santa Catarina, por meio da Cidasc, realizou o 1º Simulado em Emergência Fitossanitária do Brasil para a praga Fogo Bacteriano das rosáceas, contando com a participação de profissionais que atuam na defesa vegetal dos três estados do Sul. “O evento teve como objetivo preparar os profissionais do serviço oficial, bem como do setor produtivo para, juntos, adotarem ações organizadas no caso de introdução de novas pragas no estado, minimizando perdas econômicas e preservando o patrimônio fitossanitário”, destaca o Gestor do Departamento, Ricardo Miotto Ternus.

Divisão de Classificação

A Divisão de Classificação presta consultoria a 24 empresas em diversos segmentos de processamento de alimentos de forma voluntária, tornando os processos padronizados e os produtos seguros para os consumidores. Cerca de 600 empresas solicitam os trabalhos da classificação para atender a legislação.

Neste ano seis empresas receberam o certificado do Selo de Conformidade Cidasc – SCC, sendo uma na produção de temperos a base de alho, uma de farinha de mandioca, uma de erva mate e chás, duas em beneficiamento de maçã e uma em beneficiamento e embaladora de cereais.

“O SCC visa adequar os processos de fabricação com base na legislação pertinente, elevar a segurança dos produtos de origem vegetal e oferecer condições para melhoria contínua aos estabelecimentos do agronegócio e agrofamiliares de Santa Catarina”, destaca a Gestora da Divisão, Valdirene Régia Bizolo Sommer.

A classificação vegetal atende importação em quatro portos e uma aduana seca, empresas cerealistas e beneficiadoras de frutas, no qual foram classificados, de janeiro a outubro, um total de 850 mil toneladas de produtos. Sendo subdivididos em mercado interno: com 370 mil toneladas de produtos e 1.900 certificados emitidos; mercado externo: com 50 mil toneladas de produtos classificados; 1.200 certificados emitidos e importação: com 430 mil toneladas de produtos e 9.100 certificados emitidos.

Apoio Laboratorial

Os Laboratórios de Diagnóstico Animal, que receberam a acreditação do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) no ano de 2016, localizados nos Departamentos Regionais de Joinville e Chapecó e o Centro de Triagem de Florianópolis, realizam atividades de apoio aos Programas da Defesa Sanitária Animal em Santa Catarina.

Em números, as atividades dos Laboratórios de Diagnóstico em 2017 somam 4.316 exames realizados, 10.296 amostras triadas, 5.980 amostras enviadas aos Laboratórios Nacionais Agropecuários – Lanagros, entre outros. “Também atuamos na prestação de serviços a terceiros através de exames, os quais possibilitam a  detecção rápida de casos positivos de brucelose, permitindo que aqui no estado o saneamento das propriedades seja feito com maior agilidade para manter em níveis muito baixos  a prevalência desta doença”, afirma a gestora da Divisão de Apoio Laboratorial, Cláudia Scotti Ducioni Matos.

Inspeção de Produtos de Origem Animal

O Serviço de Inspeção Estadual (SIE) do Departamento Estadual de Inspeção de Produtos de Origem Animal realiza ações de fiscalização, supervisões e auditorias em estabelecimentos que manipulam e elaboram produtos de origem animal. Dessa maneira, garantem a qualidade e inocuidade dos alimentos, permitindo a comercialização dos mesmos.

Atuam na fiscalização das atividades inerentes a inspeção, aproximadamente 400 médicos veterinários habilitados, vinculados a 11 empresas credenciadas e 37 médicos veterinários oficiais no departamento de inspeção da Cidasc. Os profissionais prestam serviço nos 1.130 estabelecimentos registrados, dos quais 541 estabelecimentos estão ativos no SIE.

“Ao longo do ano, as ações do serviço de inspeção apresentam números significativos, 30 estabelecimentos obtiveram o título de registro. Santa Catarina acrescentou seis empresas no Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal – Sisbi/Poa, totalizando 28 indústrias”, destaca o Gestor do Departamento, Sergio Silva Borges.

Defesa Sanitária Animal

O Departamento Estadual de Defesa Sanitária Animal desenvolve ações de controle e combate às principais doenças que atacam os rebanhos catarinenses. É responsável pela manutenção do reconhecimento internacional de Zona Livre de Febre Aftosa sem vacinação e Zona Livre de Peste Suína Clássica. Este status possibilitou que os produtos de origem animal catarinenses alcançassem os mercados mais exigentes do mundo, como a abertura do mercado de exportação de carne suína para a Coreia do Sul.

Uma atividade decisiva realizada pela Cidasc para promover medidas de proteção sanitária é a fiscalização de veículos e cargas em postos nas divisas do Estado ou em barreiras móveis nas estradas. A vigilância busca prevenir a introdução de doenças animais e vegetais que colocam em risco a saúde pública, a sanidade animal, vegetal e os interesses econômicos do Estado. O sistema funciona o ano inteiro, 24 horas por dia, sete dias por semana. Neste ano foram realizadas pela Cidasc cerca de 500 mil fiscalizações de trânsito.

Em 2017 o setor agropecuário cresceu como um todo e para acompanhar e estimular o desenvolvimento foram realizadas melhorias no Sistema de Gestão de Defesa Agropecuária Catarinense – Sigen+, um sistema informatizado desenvolvido para facilitar o acesso do produtor aos serviços da Companhia. Somente neste ano, foram emitidas 1,3 milhão de Guias de Trânsito Animal – GTA’s. O produtor pode solicitar a GTA de qualquer computador com acesso à internet e impressora, documento que antes era solicitado apenas em escritórios da empresa. A ampliação do sistema consolida a interação entre 160 mil produtores rurais e a Companhia.

O Gestor do Departamento, Marcos Vinicius de Oliveira Neves, ressalta que “a consolidação  do Sistema de Vigilância Ativa para Febre Aftosa em Santa Catarina em 2017, possibilita fortalecer o sistema de vigilância para esta enfermidade, por meio da implantação de um sistema contínuo de fiscalização e inspeção a estabelecimentos rurais de maior risco para a doença.”

Também neste ano, o Departamento implantou a Comissão Estadual do Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose – PNCEBT, permitindo que os assuntos relacionados a essas zoonoses sejam discutidos por todos os órgãos públicos e instituições privadas envolvidas com a cadeia produtiva.

Santa Catarina é o maior produtor de moluscos bivalves (ostras, mexilhões, vieiras e berbigões) do Brasil, e estes produzidos no Litoral catarinense são de grande importância gastronômica, sociocultural e econômica das regiões produtoras. Reconhecendo tal valor, a Cidasc atuou firmemente no monitoramento microbiológico e de ficotoxinas (maré-vermelha). Foram realizadas 977 análises, atendendo a legislação sanitária vigente e aumentando a segurança no consumo.

Projeto Sanitarista Junior

Foto arquivo Cidasc / Araranguá/Divulgação

O projeto educativo, focado na defesa agropecuária, sanidade ambiental e humana, foi elaborado a partir da construção do Programa Estadual de Educação Sanitária em Defesa Agropecuária, documento este produzido pelo Comitê de Educação Sanitária, composto por engenheiros agrônomos e médicos veterinários da Cidasc, e foi desenvolvido para ser executado junto às escolas por livre demanda.

Já na terceira edição, o Projeto Sanitarista Junior formou parcerias com 69 escolas, de 36 municípios, alcançando 3 mil crianças em 2017. “Este ano ingressamos oficialmente na Comissão Interinstitucional de Educação Ambiental de SC, que favorecerá a adesão de novas parcerias ao projeto”, conta a engenheira agrônoma da Cidasc e coordenadora do projeto Patrícia Almeida Barroso Moreira.

Para o próximo ano, o projeto contará com novos materiais didáticos como o Livro do Professor e o Caderno de Atividades dos Alunos, que proporcionará maior autonomia para os professores no desenvolvimento do projeto em sala de aula. O material foi desenvolvido com assessoria pedagógica, através de recursos oferecidos pelo Mapa.

Fonte: Governo do Estado

Comentários

Negócios

PIS: trabalhadores nascidos em março e abril podem sacar abono salarial

Published

on

Foto: Arquivo/Agência Brasil/Divulgação

Começou nesta quarta-feira (22) o pagamento do abono salarial do PIS (Programa de Integração Social) do calendário 2017/2018, ano-base 2016, para os trabalhadores nascidos nos meses de março e abril. Segundo a Caixa Econômica Federal, os valores variam de R$ 80 a R$ 954 conforme o tempo de trabalho em 2016. Os titulares de conta individual na Caixa com saldo acima de R$ 1 e movimentação receberam o crédito automático na última terça-feira (20).

Os pagamentos são feitos conforme o mês de nascimento do trabalhador e tiveram início em julho, com os nascidos naquele mês. Os recursos de todos os beneficiários ficam disponíveis até 29 de junho de 2018. Os últimos a sacar serão os nascidos em maio e junho, a partir de 15 de março.

São liberados R$ 15,7 bilhões para 22,1 milhões de beneficiários em todo o calendário. Para os nascidos em março e abril, estão disponíveis R$ 2,664 bilhões para mais de 3,745 milhões de trabalhadores. O valor do benefício pode ser consultado no Aplicativo Caixa Trabalhador, no site do banco ou pelo Atendimento CAIXA ao Cidadão: 0800 726 0207.

A Caixa lembra que tem direito ao benefício o trabalhador inscrito no Programa de Integração Social (PIS) ou no Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público (Pasep) há pelo menos cinco anos e que tenha trabalhado formalmente por pelo menos 30 dias em 2016, com remuneração mensal média de até dois salários mínimos. Também é necessário que os dados estejam corretamente informados pelo empregador na Relação Anual de Informações Sociais (RAIS), ano-base 2016.

Quem tem o Cartão do Cidadão e senha cadastrada pode se dirigir a uma casa lotérica, a um ponto de atendimento Caixa Aqui ou aos terminais de autoatendimento da instituição. Caso não tenha o Cartão do Cidadão e não tenha recebido automaticamente em conta da Caixa, o valor pode ser retirado em qualquer agência do banco público, apresentando o documento de identificação. O trabalhador vinculado a empresa pública com inscrição no Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público) recebe o pagamento pelo Banco do Brasil.

Fonte: Agência Brasil

Comentários
Continue Lendo

Negócios

Programa Startup SC está com inscrições abertas

Published

on

Por

Foto: Divulgação

O programa de capacitação Startup SC, iniciativa do Sebrae/SC em parceria com o Governo do Estado, está com inscrições abertas. Empresas de base tecnológica iniciantes podem se inscrever entre 19 de fevereiro e 19 de março para o programa com duração de cinco meses e oferece, além de capacitação, acesso à rede de empreendedores do ecossistema de sucesso catarinense. Esta é a oitava edição do programa e pela primeira vez estará selecionando 30 startups – elas serão divididas em duas turmas, em Joinville e Florianópolis. O resultado da seleção será divulgado no dia 28 de março.

As selecionadas participarão de cursos, palestras, workshops, mentorias presenciais e online gratuitamente. As consultorias presenciais acontecem em Florianópolis e Joinville, simultaneamente, durante os cinco meses de treinamento. Não é necessário ser pessoa jurídica para participar.

O sucesso dessa metodologia é refletido no número de empresas nascentes que passaram pelas turmas do Startup SC e continuam no mercado: cerca de 64% ainda estão ativas em um cenário nacional em que 74% das startups não sobrevivem aos primeiros cinco anos, de acordo com estudo da Startup Farm.

Vantagens

Além da capacitação os participantes ganham créditos para utilização nas plataformas AWS, Google Cloud e IBM Cloud, assinatura de um ano na ContaAzul, dois anos de isenção na mensalidade da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate), tarifas especiais para transações na Asaas, entre outras vantagens.

Inscrições: http://www.startupsc.com.br/inscreva-se/

Comentários
Continue Lendo

Negócios

Sest/Senat amplia estrutura e serviços em nova unidade

Published

on

Foto: Susana Küster

Atualizado às 12:02

O Sest/Senat de Lages, a partir de junho, vai funcionar na nova estrutura, que está sendo construída às margens da BR-282, próximo ao Lages Garden Shopping.

O órgão que hoje funciona em 300 metros quadrados, na Rua Campos Sales, Bairro Coral, vai passar para quatro mil metros quadrados. O investimento de R$ 12 milhões, (recurso próprio), possibilitará mais conforto e espaço para eventos e cursos.

O público, que em sua maioria são motoristas, terão atendimento odontológico, clínica geral, fisioterapia e palestras educativas. Haverá também um ginásio poliesportivo, que também servirá como centro de eventos.

Hoje a estrutura possui uma sala de odontologia e outra para fisioterapia. A que está sendo construída terá oito salas para atendimento odontológico, além de nutricionista, psicóloga e atendimento radiológico para a parte de odontologia.

Os cursos terão mais espaço, já que de uma sala de aula vai para oito, além de mais duas salas de informática. O órgão também oferecerá simulador de direção para caminhão e ônibus. “Estamos prevendo um curso técnico em manutenção em oficina mecânica, no ano que vem”, afirma o gerente do Sest/Senat, Renato Inda Macedo.

Com a nova estrutura, a expectativa é de que a demanda aumente. “Lages possui um potencial grande para o transporte pela posição geográfica que possui”, avalia Renato.

 

Erramos: Na matéria, foi informado que a sede do Sest/Senat era anexo ao Posto Ampessam, na BR-116, quando na verdade é na Rua Campos Sales.

Comentários
Continue Lendo

Negócios

Fecam defende liberação de fundo

Published

on

Por

Foto: Alesc/Divulgação

Preocupada com a retomada do crescimento da economia nos municípios, a Federação Catarinense de Municípios (Fecam) se juntou aos pedidos do Governo do Estado de Santa Catarina e encaminhou ao Banco Nacional de Desenvolvimento – BNDES e ao Ministério da Fazenda, nesta quinta-feira, 15, uma solicitação de celeridade no processo de liberação dos recursos do Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam 2). A entidade também enviou o documento, assinado pelo presidente Volnei Morastoni, prefeito de Itajaí, ao Fórum Parlamentar Catarinense para que os deputados federais e senadores auxiliem nas tratativas de destravamento do financiamento.

A Federação entende que os recursos do fundo são estratégicos para a indução do desenvolvimento econômico e social, em prol da geração de renda, emprego, riqueza e ampliação da produtividade dos setores econômicos. “A capacidade de investimentos dos municípios catarinenses é cada vez menor. Entre 2006 e 2016, foi, em média, de 5% da arrecadação total. Isso reforça a importância do Fundam para que todos os prefeitos e prefeitas tenham condições de concretizar obras que são reivindicadas pela população”, observa Morastoni.

A entidade demonstra que com os recursos do Fundam 1, repassados efetivamente entre 2014 e 2016, houve um crescimento de 20,48% nos investimentos feitos pelos municípios, o que contribuiu para amenizar os efeitos da crise econômica sobre a renda e geração de empregos em Santa Catarina. Isso porque os investimentos em infraestrutura, destinação de grande parte dos recursos, são importantes para promover a ampliação e manutenção do crescimento econômico e desenvolvimento catarinense.

Fundam 2

O investimento previsto para a nova edição é de R$ 700 milhões. As áreas previstas para destino dos recursos são: infraestrutura (logística e mobilidade urbana); construção e ampliação de prédios nas áreas de educação, saúde e assistência social; construção nas áreas de desporto e lazer; saneamento básico; aquisição de equipamentos, veículos e materiais destinados aos serviços de saúde e educação; e aquisição de máquinas e equipamentos rodoviários novos, fabricados em território nacional.

Comentários
Continue Lendo

Capa do Dia

Instagram

Facebook

Rua Coronel Córdova, 84 . Centro . 88502-000 . Lages . SC . Brasil . Fone: 49 3221.3300 . correiolageano@correiolageano.com.br

CL+| Correio Lageano - Todos os direitos reservados ©