Conecte-se a nós

Negócios

Celulose e madeira contribuem para o aumento das exportações

Published

em

A exportação de celulose, óleo de soja bruto e madeira serrada subiu 1,8% em fevereiro - Foto: Susana Küster

A diferença entre as exportações e importações, chamada de balança comercial, fechou fevereiro com o maior saldo positivo para o mês, desde o início da série histórica, em 1989. No mês passado, o país vendeu US$ 4,907 bilhões a mais do que comprou do exterior, de acordo com o Ministério do Desenvolvimento, Comércio Exterior e Serviços (Mdic). O recorde anterior da balança comercial, em meses de fevereiro, havia sido registrado no ano passado, quando o superávit da balança comercial tinha atingido US$ 4,5 bilhões.

O que ajudou o índice de exportação subir, foram as vendas de produtos semimanufaturados que cresceram 1,8%, puxadas por celulose, óleo de soja bruto e madeira serrada. O diretor executivo da Associação Catarinense de Empresas Florestais (ACR), Mauro Murara Junior, afirma que há uma forte tendência no aumento da exportações em papel e celulose, serrados e chapas.

Os principais mercados seriam a Índia, México, Estados Unidos e China. “O motivo seriam as barreiras impostas pelos Estados Unidos e os eventos climáticos extremos no hemisfério norte”, avalia.
Desta forma, o aumento nas vendas pode refletir na ampliação do mercado, com o fortalecimento das empresas.

O setor madeireiro enfrentou uma grande crise em 2009, empresas fecharam e outras reduziram postos de trabalho. Desde então, as que sobreviveram buscaram racionalizar processos para produzir mais com menor custo. São justamente essas que aplicam tecnologia e competem no mercado externo.

O reaquecimento da economia também fez as importações continuarem a subir em fevereiro. As importações de combustíveis e lubrificantes aumentaram 7,5% em relação ao mesmo mês do ano passado. As compras de bens intermediários e de consumo subiram 11,7% e 21,3%, respectivamente.

As importações de bens de capital (máquinas e equipamentos usados na produção) saltaram 24,4%. Para se ver como o mercado é complexo, muitas das empresas catarinenses que exportam, compram máquinas de outros países para se manterem competitivas.

Maior interferência

O que ajudou a subir mais o resultado da balança comercial, foram as vendas de produtos manufaturados, que aumentaram 41,6% em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano passado, pelo critério da média diária. Além da plataforma de petróleo que interferiu no resultado, os destaques foram pisos e revestimentos, com alta de 361,3%; bombas e compressores (+115,2%) e tratores (+110,3%).

Expectativas

Depois de o saldo da balança comercial ter encerrado 2017 em US$ 67 bilhões, o maior resultado positivo da história, o mercado estima um superávit menor em 2018 motivado principalmente pela recuperação da economia, que reativa o consumo e as importações. Oficialmente, o Mdic estima superávit de US$ 50 bilhões neste ano.

Segundo o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras e divulgada pelo Banco Central, os analistas de mercado preveem superávit de US$ 54,3 bilhões para este ano.

Fonte: Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (2016) publicado no 2º Anuário Estatístico de Base Florestal de Santa Catarina, feito pela Associação Catarinense de Empresas Florestais

Fonte: 2º Anuário Estatístico de Base Florestal de Santa Catarina, feito pela Associação Catarinense de Empresas Florestais

Com informações da Agência Brasil

Compartilhe
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Cinema

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade do Correio Lageano e Portal CLMais