Conecte-se a nós

Notícias

Aos poucos caminhões começam deixar a BR-116

Published

em

Atualização 13h43

Na manhã desta quarta-feira (30), no décimo dia da manifestação dos caminhoneiros em todo Brasil, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) com o apoio do Exército Brasileiro iniciou uma operação conjunta para desmobilizar pontos de concentração de manifestantes. Os caminhoneiros protestam contra o aumento do diesel, e a mobilização é nacional.

Para a ação, que acontece de modo pacífico, foram acionadas equipes extras da PRF e do Exército. São diversos policiais mobilizados, com muitas viaturas, que foram posicionadas em toda a área na BR-116, próximo ao Posto Ampessan, em Lages.

De acordo com o superintendente da Polícia Rodoviária Federal em Santa Catarina, Carlos Magno da Cruz Júnior, a operação de desmobilização é nacional.  “A polícia e o Exército estão indo os pontos de manifestação e retirando caminhoneiros que estão sendo coagidos a ficarem nos locais. A liberação total da via, caso necessário, também será feita”, informa.

Ainda de acordo com a PRF, até a manhã desta quarta, mais de 30 caminhões deixaram o local. Ainda de acordo com o policial, a operação tem o objetivo de dar o direito de ir e vir. O motorista Fábio Canton, do Rio Grande do Sul, decidiu sair da manifestação e voltar para casa. “Já que liberaram vou sair. Embora concorde com as reivindicações da categoria. Trabalho de empregado, e não posso reclamar da minha situação”, disse.

Enquanto isso, manifestantes contestam a informação do número de caminhões. Segundo eles, até a manhã de hoje apenas três caminhões haviam saido dali para ficar na base, só por questões de segurança.

Durante o período em que a equipe do Correio Lageano esteve no local, nove caminhões pegaram a estrada. Confira a galeria de imagens.

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

 

ões pegaram viagem.

 

Fábio, do Rio Grande do Sul, decidiu sair da manifestação

Quem decidiu ficar no local da manifestação contesta a ação da polícia e do Exército  informou que ninguém deixou o local. Para os caminhoneiros, agora não é hora de desistir, e que ficarão até que as reivindicações sejam atendidas, pois o que o Governo Federal publicou um acordo que não atende as necessidades da categoria. “A ideia é ficar aqui para não morrer de fome. Não estamos segurando ninguém, quem está mobilizado é porque está lutando por melhorias”, disse o motorista Ivan Rezende.

Diego Vestarp e Edson Rogério

Edson Rogerio Barbosa, simpatizante do movimento, também não concorda com a mobilização, para ele, ao invés só da categoria ter parada, a população em geral deveria ter apoiado mais. As pessoas tem que entender que a paralisação dos caminhoneiros é favor de todos, não só da classe”.

Para o motorista, Diego Vestarp, de 30 anos, que trabalha como autônomo, a retirada dos caminhões do local, é uma afronta. Ele argumenta que não obstruíram a rodovia,e que também permanecerá paralisado, até que se tenha uma definição. À tarde será realizada uma assembleia com os manifestantes para decidir se mantém ou não a paralisação.

 

No Brasil 

Desde à noite de terça-feira, equipes da PRF e de outras forças de segurança pública têm feito ações de desmobilização nos pontos de manifestação de caminhoneiros, em diversas regiões.

A Polícia Rodoviária informou que já liberou pelo menos 742 pontos de bloqueios em rodovias, com o objetivo de reforçar a fluidez do tráfego, restabelecer a operação de serviços essenciais, como aeroportos e hospitais, e garantir a segurança dos caminhoneiros que querem voltar a exercer suas atividades.

Mais de 56% das aglomerações já foram desbloqueadas e, segundo a PRF, não havia, no início da noite de ontem, nenhum bloqueio total. Já foram feitas pelo menos 386 escoltas em 973 carretas, e 14,7 milhões de litros de combustível entregues em todo o Brasil.

Comentários
Compartilhe
Anúncio

Capa do Dia

Anúncio
Anúncio

Cinema

Facebook

Anúncio

Rua Coronel Córdova, 84 - Centro - CEP: 88502-000 - Lages (SC) - Brasil . Contato - Fone: 49 3221.3300 e-mail: correiolageano@correiolageano.com.br

Todos os direitos autorais são propriedade do Correio Lageano e Portal CLMais